Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Raquel Landim

    Raquel Landim

    Com passagens pelos principais jornais do país como repórter especial e colunista, recebeu o prêmio “Jornalista Econômico” de 2022 pela Ordem dos Economistas do Brasil

    Votação de Chiquinho Brazão reacende disputa entre Lira e Padilha

    Ministro resistiu à pressão de liberar a bancada e manteve a orientação de votar pela prisão.

    Votação de Chiquinho Brazão reacende disputa entre Lira e Padilha
    Votação de Chiquinho Brazão reacende disputa entre Lira e Padilha

    A votação sobre a prisão de Chiquinho Brazão (sem partido-RJ) reacendeu a disputa entre o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

    Líderes governistas e fontes do governo avaliam como uma derrota de Lira o fato do Congresso ter decido manter o deputado preso.

    Essas fontes dizem que Lira operou “duramente” para salvar Brazão, acusado de ser o mandante do assassinato de Marielle Franco.

    Na avaliação do governo, Lira tentou transformar a questão num embate entre Legislativo e Judiciário, mas não conseguiu.

    A votação foi apertada – apenas 20 votos a mais do que seria necessário para manter Brazão na cadeia. Padilha resistiu à pressão de liberar a bancada e manteve a orientação de votar pela prisão.

    Pessoas próximas a Lira dizem que a manutenção da prisão de Brazão tinha forte apoio popular e atribuem as reportagens de que o presidente da Câmara estaria perdendo poder à uma investida de Padilha. “Ele está brincando com fogo”, diz um aliado de Lira.

    Padilha e Lira não se falam desde o final do ano passado. Em conversas reservadas, pessoas próximas ao ministro dizem que Lira trabalha para derrubá-lo.

    O presidente Lula segue dando respaldo a Padilha, mas indicou o ministro Rui Costa, da Casa Civil, como interlocutor do presidente da Câmara.