Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tainá Falcão

    Tainá Falcão

    Jornalista, poetisa, mulher nordestina, radicada em Brasília com passagem por SP. Curiosa. Bicho de TV. Informa sobre os bastidores do poder

    Lira descarta analisar PL das Fake News neste momento, dizem fontes

    Proposta está longe de ser prioridade para Lira, que precisa decidir, com maior urgência, sobre a manutenção da prisão do deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ)

    Lira descarta analisar PL das Fake News neste momento, dizem fontes
    Lira descarta analisar PL das Fake News neste momento, dizem fontes

    O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) não pretende pautar o Projeto de Lei das Fake News, dizem aliados do político alagoano.

    A proposta está longe de ser prioridade para Lira, que precisa decidir, com maior urgência, sobre a manutenção da prisão do deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ).

    Lira nem sequer conversou novamente sobre o assunto com o relator da proposta, Orlando Silva (PCdoB-RJ). Tampouco o convidou para participar da reunião de líderes, nesta terça-feira.

    Orlando Silva disse que procuraria Lira para inclusão da matéria na pauta desta semana. Mas líderes próximos do presidente da Câmara avaliam que Silva perdeu a capacidade de relatar o projeto.

    Lira não pautou o projeto em plenário por falta de votos para aprovação. Para aliados, o presidente da Câmara repete que considera essa sua única derrota e jamais entraria, novamente, em ‘bola dividida’.

    Na época, o presidente da Câmara chegou a telefonar, diretamente, ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para reclamar que o governo não havia entregue os votos prometidos pela urgência do projeto.

    Além disso, a avaliação da cúpula da Câmara é que o ambiente está contaminado pela polarização do caso Musk x Moraes e que pautar o PL das Fake News agora, só pioraria o embate.

    Musk ameaçou descumprir decisão de Moraes sobre bloqueio de contas no X (antigo Twitter). Já o ministro Alexandre de Moraes incluiu o empresário no inquérito das milícias digitais.