Adidas vê impacto de US$ 1,1 bilhão nas vendas na China com coronavírus


Reuters
11 de março de 2020 às 15:09 | Atualizado 15 de março de 2020 às 13:12
Mulher com máscara de proteção contra coronavírus passa por banner da Adidas

Mulher com máscara de proteção contra coronavírus passa por banner da Adidas em Pequim, China (20.Fev.2020)

Foto: Tingshu Wang/Reuters

As alemãs Adidas e Puma alertaram nesta quarta-feira para um grande declínio nas vendas na China devido ao coronavírus e disseram que, embora haja sinais de melhora, o impacto se espalhou para outros mercados.

As ações da Adidas caíam 10% nesta quarta-feira, e da Puma recuavam cerca de 3,8%. As ações da líder do setor Nike, que também alertou no mês passado sobre o impacto do vírus, perdiam quase 6%.

A Adidas disse que espera que as vendas do primeiro trimestre caiam até US$ 1,1 bilhão de dólares na China e o lucro operacional caia de 400 a 500 milhões de euros.

Adidas e Puma realizam quase um terço de suas vendas na Ásia, que tem sido um grande mercado em crescimento para artigos esportivos nos últimos anos e impulsionador do lucro.

A Adidas disse que espera que as vendas do grupo no primeiro trimestre caiam mais de 10%, incluindo na China e uma queda de cerca de 100 milhões de euros no Japão e na Coreia do Sul.

"O vírus está pior do que se temia", escreveu James Grzinic, analista da Jefferies, em relatório sobre a Adidas. "Dada a duração da situação na China, o impacto negativo em outros países asiáticos e agora também a disseminação para a Europa e os EUA, infelizmente temos que concluir que uma normalização de curto prazo não ocorrerá", afirmou.

Desde que surgiu na China, no final do ano passado, o novo coronavírus se espalhou pelo mundo e já infectou cerca de 120 mil pessoas e matou 4.300.