Empresários de SP pedem para fechar estabelecimentos e não pagar impostos


Do CNN Brasil Business
17 de março de 2020 às 12:48 | Atualizado 17 de março de 2020 às 13:20

Depois de decretar estado de emergência na capital paulista, devido ao avanço do coronavírus na cidade, o prefeito Bruno Covas e o governador do estado João Dória receberam um pedido, via carta aberta, da Associação da Noite e do Entretenimento Paulistano (Anep).

Pessoas usam máscara em metrô de São Paulo

Pessoas usam máscara em metrô de São Paulo para tentar se proteger do novo coronavírus

Foto: Rahel Patrasso - 06.mar.2020/ Reuters

No abaixo-assinado, a organização pede a suspensão das dívidas dos estabelecimentos e a isenção temporária de impostos e taxas estaduais e municipais, como a de iluminação pública e água.

Entre outras medidas solicitadas no documento, estão o decreto do fechamento obrigatório de todos os estabelecimentos de alimentação, lazer e entretenimento pelo período de duas semanas, além da liberação de crédito via Sebrae e Desenvolve SP.

Este último pedido financiaria o pagamento de salários e despesas fixas das casas de comércio e serviço. Bares renomados como o Fel, além de baladas de grande público como Woods, Sputnik e Void e restaurantes prestigiados como Chez Oscar, na rua Oscar Freire, estão entre os estabelecimentos que assinam.

Nas ruas, já é possível observar os efeitos da pandemia, com uma considerável redução da circulação de pessoas. O fluxo reduzido deve afetar o movimento dos espaços que ainda permanecem em funcionamento.

O governo de São Paulo, o estado com mais casos no país, confirmou nesta terça-feira (17) a primeira morte pelo novo coronavírus no Brasil.

A CNN Brasil apurou que a vítima era um homem de 62 anos, que sofria de hipertensão. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), há pouco mais de 168 mil casos confirmados da doença no mundo. Já foram registradas 6.610 mortes derivadas da pandemia, que já atingiu cerca de 148 países. No Brasil, são 234 ocorrências até agora.