Governo reduz o limite de taxa de juros para empréstimo consignado do INSS


Anna Russi da CNN Brasil, em Brasília
17 de março de 2020 às 18:59 | Atualizado 17 de março de 2020 às 18:59
Agência do INSS em Biritiba Mirim (SP)

Agência do INSS em Biritiba Mirim (SP); O limite da taxa de juros nas operações de empréstimo consignado foi para 1,8% ao mês

Foto: Divulgação INSS - 9.set.2017

Em reunião extraordinária, realizada por videoconferência nesta terça-feira (17/3), o Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS) aprovou a redução do limite de taxa de juros nas operações de empréstimo consignado para aposentados e pensionistas do INSS. O teto foi de 2,08% para 1,8% ao mês.

Também ficou decidida a redução da taxa máxima de juros do cartão de crédito consignado de 3% ao mês para 2,7% ao mês. Segundo o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, em um momento como o atual, é importante que os beneficiários do INSS possam acessar mais facilmente o crédito e com menor taxa de juros. “É uma situação difícil, o crédito pode ajudá-los”, disse.

O prazo para quitar o consignado dos aposentados e pensionistas ficou maior. Agora, o aposentado ou pensionista que pegar financiamento consignado terá até 84 meses, ou seja, sete anos para quitar a dívida. A principal diferença da modalidade de crédito consignado é que o desconto é realizado diretamente do benefício de aposentadoria ou da pensão.

Durante a reunião, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), apresentou uma estimativa que sinaliza que as mudanças podem aumentar a oferta de crédito em R$ 25 bilhões nos próximos meses. O CNPS é formado por representantes do governo, dos trabalhadores em atividade, dos empregadores e dos aposentados.

As medidas, que fazem parte do pacote elaborado pelo equipe econômica para amenizar os impactos da disseminação do coronavírus no país, já haviam sido adiantadas por Bianco. "Há necessidade dessas medidas para as pessoas que mais precisam, reduzindo a taxa de juros para o mais pobre e aumentando o prazo (de pagamento)", declarou ele. A população mais vulnerável à doença se concentra exatamente nos idosos.