Novos casos da COVID-19 atingem máxima em seis semanas e índices chineses caem

A província chinesa de Heilongjiang, que faz fronteira com a Rússia, tornou-se o novo centro de batalha contra o coronavírus

Reutes
13 de abril de 2020 às 07:47
China já começou processo de reabertura (2.abr.2020)
Foto: Thomas Peter/Reuters

Os índices acionários da China fecharam em baixa nesta segunda-feira (13), uma vez que os novos casos diários de coronavírus se aproximaram de uma máxima em quase seis semanas.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 0,42%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,49%.

O subíndice do setor financeiro do CSI300 perdeu 0,62%, o de consumo caiu 0,82%, o imobiliário subiu 0,53% e o de saúde ganhou 0,43%.

A província chinesa de Heilongjiang, que faz fronteira com a Rússia, tornou-se o novo centro de batalha contra o coronavírus uma vez que as autoridades informaram o número mais alto de novos casos diários em quase seis semanas, devido a viajantes infectados do exterior.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 2,33%, a 19.043 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG permaneceu fechado.

. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,49%, a 2.783 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,42%, a 3.753 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 1,88%, a 1.825 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,57%, a 10.099 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,16%, a 2.567 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 não teve operações.