Metade dos países do mundo já pediu empréstimo no atual momento, diz FMI

Diretora afirmou que a organização está pronta para usar “toda a caixa de ferramentas e poder de fogo de US$ 1 trilhão” de sua capacidade de empréstimo

Sherisse Pham, da CNN
16 de abril de 2020 às 08:39 | Atualizado 16 de abril de 2020 às 08:39
Prédio da sede do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington
Foto: Yuri Gripas - 08.abr.2019/ Reuters

Metade dos países do mundo procurou o Fundo Monetário Internacional (FMI) para obter empréstimos emergenciais durante a crise causada pela pandemia do novo coronavírus.

Mais de 100 nações pediram auxílio emergencial, disse Kristalina Georgieva, diretora-geral do FMI, em uma reunião com ministros de finanças do G20 e líderes de bancos centrais nessa quarta-feira (15).

Ela afirmou que a organização está pronta para usar “toda a caixa de ferramentas e poder de fogo de US$ 1 trilhão” de sua capacidade de empréstimo, acrescentando que dez países já receberam fundos emergenciais, e metade das nações restantes devem recebr até o fim de abril.

A caminho da recessão profunda

Os comentários de Georgieva surgiram após o FMI divulgar um alerta de que a economia global está se encaminhando para a maior recessão desde os anos 1930, e que os governadores e as autoridades de saúde precisam trabalhar juntos para evitar um resultado ainda pior.

Assista e leia também:

Análise: FMI diz que emergentes sofrerão mais com a crise por fuga de capital

FMI: PIB do Brasil deve cair 5,3% e rombo das contas subir a 5,2% em 2020

A líder do FMI disse que “tudo está sobre a mesa em termos de medidas que podemos tomar”, e encorajou os bancos centrais a “gastarem o que puderem”. “Mas mantenham os comprovantes”, acrescentou. “Não queremos que a responsabilidade e a transparência sejam esquecidas nesta crise."

Em uma entrevista à emissora CNBC, Georgieva admitiu que o FMI é conhecido por impor condições duras aos países que buscam empréstimos. Mas, neste momento, “pedimos apenas uma coisa: paguem seus médicos e enfermeiras, garantam que seus sistemas de saúde funcionem, e que sua população vulnerável e funcionários estejam protegidos”, disse ela.