Precisamos de equilíbrio entre compaixão e pragmatismo, diz CEO da BlackRock

Em live promovida pelo Santander, Larry Fink defendeu a necessidade de grandes investimentos, com apoio do setor privado, para resgatar a economia pós-Covid-19

Do CNN Business, em São Paulo
14 de maio de 2020 às 19:19 | Atualizado 14 de maio de 2020 às 19:31
Larry Fink, CEO da gestora BlackRock (na tela) conversou com Sergio Rial, presidente do Santander no Brasil, durante live nesta quinta-feira, 14 
Foto: Reprodução

A saída da crise do novo coronavírus e a retomada da economia não serão uma tarefa simples, na visão de Larry Fink, presidente da maior gestora de fundos de investimentos do mundo, a norte-americana BlackRock. Em uma live realizada com Sergio Rial, presidente do Santander Brasil, na tarde desta quinta-feira (14), Fink afirmou que, conforme os primeiros países testam maneiras de reabrir suas atividades após a paralisia, governos e sociedade terão que enfrentar questões difíceis entre a proteção da economia e da saúde.

Para ele, tanto o Estado quanto o setor privado terão que agir juntos “para um grande programa de empregos” e “de infraestrutura”, ao espelho do que aconteceu nas décadas de 1920 e 1930 após a Grande Depressão.

“A maior pergunta que todo legislador, todo presidente, todo CEO deve se fazer é se nós teremos compaixão, como sociedade, ou se seremos pragmáticos”, disse Fink. “Se vamos reabrir, podemos esperar altas taxas [de infecção] da doença, e talvez seja bom ter boa parte da população desenvolvendo anticorpos. Mas aí entra a parte da compaixão, porque haverá também uma alta taxa de mortalidade com essa abertura. (...) 99% da população vai estar bem, teremos uma economia mais dinâmica, mas como a sociedade convive com isso sabendo que teremos também uma alta taxa de letalidade?”

Leia também:

Com dólar perto de R$ 6, CVC vê turismo nacional como principal elo da retomada

Preço da cerveja será mantido, mas vendas cairão em 2020, diz CEO da Heineken

Fink ressaltou ainda os efeitos da desigualdade social no avanço do novo coronavírus, que faz com que nos Estados Unidos bem como em outros países, caso do Brasil, a doença seja mais letal entre negros e as classes econômicas mais baixas.

Do outro lado, também são as empresas menores que sofrerão e terão mais dificuldades em sobreviver à paralisia econômica. “É o ‘Wall Street’ versus o ‘main stream’, que são as pequenas e médias empresas”, disse o executivo. “As grandes corporações, que têm acesso a capital, atendem a suas necessidades entrando no mercado financeiro; elas podem emitir ações, títulos de dívida. As pequenas não podem, e é aí que vejo a dificuldade.”

"Grande pacote de empregos e infraestrutura"

Para Fink, não será possível superar as dificuldades econômicas desta crise sem grandes pacotes públicos, apoiados pelo setor privado, à exemplo do que aconteceu nos grandes programas de investimentos que ajudaram a economia global a se reerguer da grande crise de 1929. 

Isso será especialmente necessário se for confirmada uma segunda onda de infecções que já se esboça conforme os países testam uma reabertura das atividades – “se houver essa segunda onda do vírus antes de termos antivirais em ações, vamos precisar de outra onda de estímulos, porque vai ser difícil promover essa retomada”, de acordo com o CEO da BlackRock.

“Em termos de política fiscal, com as lições que aprendemos sobre como os governos estabilizaram suas economias nos anos 20 e 30, na Grande Depressão, acredito que será necessário um grande programa de empregos, e esses programas vão precisar de infraestrutura. A indústria da construção emprega um número enorme de pessoas e não acaba com a tecnologia”, disse. 

“Obviamente”, acrescentou, “o setor privado também terá que trabalhar nisso. Um programa de infraestrutura é muito importante e a maior parte do capital tem que vir do setor privado. Grandes empresas, grandes bancos têm que se unir e trabalhar com os governos estaduais e federais, precisamos do setor público e privado trabalhando junto.”

“Isso veio para ficar”, disse o presidente do Santander no Brasil, Sergio Rial, referindo-se aos vários questionamentos que o choque da pandemia está trazendo ao líderes e à sociedade. “Haverá implicações muito profundas e já estamos vivendo isso, especialmente a respeito da criação de empregos e da necessidade de pensar como vamos reengajar a demanda no mundo.”

Clique aqui e siga o perfil do CNN Brasil Business no Facebook