Qual será o custo das viagens aéreas após a pandemia?


Por Cynthia Drescher da CNN
15 de maio de 2020 às 05:59 | Atualizado 15 de maio de 2020 às 15:58
Avião decola de aeroporto

Setor aéreo foi um dos mais prejudicados pela panemia

Foto: Dominik Scythe/Unsplash

Quando o estado da Flórida começou a adotar medidas como fechar praias em meados de março, reforçando o distanciamento social diante da ameaça da Covid-19, a corretora de imóveis e artista plástica Nadia Bouzid, de Miami, estava trabalhando na pintura de um mural para um novo hotel de Cancún, no México.

A artista largou os pincéis e pegou o telefone para procurar passagens aéreas para voltar para casa.

“Lembro de ver o preço da passagem cair de US$ 200 para US$ 70, e depois subir para US$ 350. Reservei e voei, mas o avião estava assustadoramente vazio. Eu estava em pânico, e a mudança de preço me fez pensar quanto eu pagaria na volta para terminar meu trabalho, quando tudo isso acabar", contou Bouzid à CNN.

A dúvida da artista de Miami é muito pertinente no momento em que países formulam planos para reabrir fronteiras e empresas, e as companhias aéreas começam a ver um retorno do tráfego de passageiros. Como ficarão as tarifas aéreas quando "tudo isso" acabar?

Se o distanciamento social significa menos assentos vendidos, as passagens ficarão mais caras?

A Delta Air Lines está bloqueando os assentos do meio e limitando as cargas de voo até 30 de junho para distanciamento social, permitindo que apenas 50% a 60% dos lugares disponíveis em um voo sejam reservados. As companhias aéreas Emirates, American Airlines, Japan Airlines, United e Wizz Air também estão adotando controles semelhantes.

Muitas outras empresas do setor, porém, estão permitindo reservas normalmente, sendo que uma delas exige que os passageiros paguem mais para manter o distanciamento social. Em 4 de maio, a aérea norte-americana de baixo custo Frontier Airlines anunciou uma taxa chamada “More Room” (mais espaço), que poderia ser adquirida nos voos entre 8 de maio e 31 de agosto. Essa cobrança extra, encarecendo a passagem em pelo menos US$ 39, dava ao passageiro a garantia de que o assento do meio, ao seu lado, permaneceria desocupado.

A cobrança de taxa durou apenas 48 horas. No dia 6 de maio, a companhia aérea rescindiu o plano após receber críticas de congressistas dos Estados Unidos. “Reconhecemos as preocupações levantadas de que estamos lucrando com a segurança e essa nunca foi nossa intenção", disse o CEO da Frontier, Barry Biffle, em uma carta ao Congresso dos EUA.

No entanto, é a IATA, a associação comercial global de companhias aéreas, que quer ter a última palavra na questão do distanciamento social em aeronaves. Em seu comunicado à imprensa de 5 de maio, a entidade ataca medidas que obriguem as companhias aéreas a bloquear assentos intermediários.

“Basicamente, a IATA está dizendo que a saúde financeira das companhias aéreas é mais importante do que a saúde de seus funcionários ou clientes", opinou Henry Harteveldt, analista de empresas aéreas do Atmosphere Research Group. “Esse comunicado à imprensa inclui uma estimativa de que as tarifas aéreas terão que aumentar se as transportadoras forem obrigadas a deixar os assentos do meio vazios. Se a demanda permanecer baixa e as companhias aéreas tiverem que competir por um número limitado de viajantes, as tarifas aéreas provavelmente usarão tarifas baixas para atrair o maior número possível de viajantes".

De acordo com o analista, para restaurar essa demanda é crucial, primeiro, restabelecer uma sensação de segurança.

“Medo e confiança serão as duas emoções que estão na mente das pessoas ao planejar uma viagem. Se o passageiro não sentir que uma companhia aérea respeita adequadamente sua saúde, ele encontrará outra que o faça".

Preço do petróleo despencando. Preços de passagens também podem cair?

Misturado e refinado, o petróleo bruto é o combustível necessário para literalmente mover a aviação. As companhias aéreas cobram sobretaxas de combustível para ajudar a pagá-lo, incluídas no preço final da passagem como taxa "YQ", responsável por variações no custo do combustível. No final de abril, os preços do barril de petróleo despencaram em um abismo.

Um exemplo: uma passagem de ida e volta em classe econômica da British Airways entre Londres e Joanesburgo para agosto de 2020 tem sobretaxa de combustível YQ de US$ 229, ou 30% do preço da passagem aérea total, que é de US$ 737. Será que a British Airways vai repassar potenciais economias nos preços de combustível de aviação aos passageiros, removendo ou diminuindo as sobretaxas de combustível? Pois é, se isso fosse simples, seria fácil.

“O combustível de aviação normalmente representa de 20% a 25% das despesas operacionais de uma companhia aérea", explicou Manoel Suhet, CEO da Business Traveller Deals e ex-executivo de companhia aérea com experiência em distribuição internacional de petróleo. De acordo com ele, se os preços do petróleo e do combustível de aviação continuarem em declínio, as companhias aéreas poderão se beneficiar desse ambiente de preço mais baixo, mas dificilmente será algo imediato.

“Muitas companhias aéreas fazem hedging de combustível para minimizar o risco de volatilidade do preço, concordando em comprar uma certa quantidade de petróleo no futuro a um preço definido. As companhias aéreas estão adaptando essas estratégias ao clima atual, para melhorar a posição do fluxo de caixa, simplificando os custos".

Em outras palavras, mesmo que o petróleo seja barato, o combustível de aviação ainda precisa ser refinado, um processo que aumenta seu preço, e distribuir dinheiro agora para comprar combustível futuro não está exatamente no topo das prioridades das companhias aéreas agora.

Os destinos precisam de turistas, então teremos mais ofertas de passagens aéreas?

A incerteza gera hesitação e, para alguns, até tarifas aéreas surpreendentemente baixas podem não ser suficientes para inspirar a compra de passagens, enquanto as condições econômicas e de saúde dos destinos não se estabilizarem.

Kathy Kass, advogada e blogueira de fitness de Nova York, normalmente viaja para outros países todos os meses e monitora constantemente as cotações de passagens aéreas. Desde março, porém, ela está cancelando viagens marcadas e adiando o planejamento de outras. “Eu estava remarcando para o final de junho e início de julho, pensando que as coisas deveriam estar melhor nessa época, mas agora estou cheia de vouchers de companhias aéreas e não preciso de mais nenhum", disse. Ela confessa que quase mudou de opinião em 29 de abril, quando os blogs de viagens divulgaram uma oferta de passagem em classe executiva do Canadá ou México para Bali, na Indonésia, por apenas US$ 840, ida e volta – um quarto do preço normal.

Apesar da tentação, a blogueira decidiu não reservar. “Sempre quis visitar Bali, mas não quis arriscar", disse ela à CNN. “Não sei o que está acontecendo na Indonésia, e não sei quando Bali estará novamente pronta para os visitantes".

Tais sentimentos certamente serão grandes obstáculos ao renascimento do turismo. Ciente disso, a ilha italiana da Sicília anunciou um plano para superar a hesitação dos turistas. Segundo o Times, de Londres, o governo regional da Sicília reservou 50 milhões de euros para pagar metade das passagens aéreas e uma de cada três diárias de hotel para os visitantes, além de tornar gratuita a entrada em museus e sítios arqueológicos. A ressalva: os interessados devem passar férias na Sicília ainda em 2020, após a abertura das fronteiras da Itália a turistas estrangeiros, em data ainda não definida.

A Asiana Airlines está adotando uma postura igualmente de perdão aos cancelamentos, promovendo a venda de passagens com a promessa de "compre agora, voe a qualquer momento". Reserve um voo dos Estados Unidos para a Coreia do Sul pela Asiana e a companhia aérea renunciará às taxas de alteração não apenas uma vez, algo que virou padrão entre as companhias aéreas durante a pandemia de Covid-19, mas até três vezes.

As companhias aéreas estão se ajustando à demanda, mas as tarifas ficarão iguais?

No coração do deserto vermelho da Austrália, um aeroporto mais acostumado a receber grupos de turistas com destino a Uluru teve suas pistas transformadas em um museu da moderna aviação comercial de Singapura.

Mais de US$ 5 bilhões em aeronaves – incluindo A380 e 777s, Scoot 787s e SilkAir 737s – estão estacionados no Alice Springs Airport. Todos esperam que essa parada não seja um "adeus", mas sim um "até logo" para esses aviões, pois o ambiente árido do Outback ajuda a mantê-los prontos para retomar o serviço. Mas, para muitas outras aeronaves, a crise da Covid-19 fará com que elas entrem suavemente no sono eterno.

A Virgin Atlantic acelerou a aposentadoria de suas frotas de 747 e A340-600, além de fechar uma base em Londres-Gatwick. A KLM também está se despedindo de seus icônicos 747 mais cedo do que o planejado, assim como a American Airlines mantém no chão suas frotas de 757, 767, E190 e A330-300 (embora alguns 767 AA ainda estejam voando como aviões de carga improvisados).

E, conforme os aviões deixam o céu, o mesmo acontece com a tripulação. Em uma nota de maio aos pilotos da United Airlines, obtida pelo site Simple Flying, o vice-presidente sênior de operações de voo da companhia, Bryan Quigley, compartilhou o fato preocupante de que atualmente seus pilotos superam o número de passageiros: “Em média, transportamos apenas 10 mil passageiros por dia", diz a nota, justificando o afastamento de 4.457 dos 12.250 pilotos da United em 30 de junho.

O número não é o mais alto nos cortes de empregos no setor da aviação: algumas companhias aéreas reduzem equipes há semanas. No início de maio, a British Airways concedeu licença remunerada para mais de 30 mil empregados, o Lufthansa Group colocou 80 mil trabalhadores em horário reduzido e a Ryanair planejava demitir 3 mil.

Em termos inequívocos, as companhias aéreas estão se ajustando à demanda. Essa agilidade é fundamental para permitir que elas continuem oferecendo tarifas tão acessíveis ou "normais" como o público estava acostumado a pagar antes da crise da Covid-19.

“Todas as principais companhias aéreas esperam que suas empresas sejam menores quando retomarem as operações", disse Pablo Chiozza, CEO da World Travel Solutions e ex-vice-presidente sênior da LATAM Airlines. “Isso significa que sua capacidade será ajustada à demanda e que não existam assentos vazios no momento da retomada."

Então, qual será o preço das viagens aéreas?

Depois que a pandemia da Covid-19 terminar e Nadia Bouzid reservar um voo econômico de ida para terminar seu mural em Cancún, o preço do bilhete pode ser de US$ 70, mas também pode ser de US$ 200 ou US$ 350.

As passagens aéreas continuarão respondendo à oferta e à demanda, mas a possibilidade de promoções ou a necessidade de fazer distanciamento social em aviões estão surgindo – provisoriamente, pelo menos – como forças destinadas a empurrar os preços um pouco mais para baixo ou um pouco mais para o alto, respectivamente.

Assim como acontecia antes, saber o que são ou não boas ofertas de passagens antes de decidir a compra ainda depende de você, o viajante.