BTG: Venda de unidade de telecom da Copel deve levantar mais de R$ 1,2 bi

Estatal paranaense divulgou mais detalhes sobre o processo de venda nesta quinta (21)

Reuters
21 de maio de 2020 às 09:44
Estação de energia elétrica
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

De acordo com um relatório de analistas do BTG Pactual, a estatal paranaense de energia Copel divulgou ao mercado as primeiras informações sobre o processo de venda de sua unidade de telecomunicações. Segundo as estimativas do documento, o negócio está avaliado em R$ 1,215 bilhão.

A Copel tem falado em realizar um leilão de privatização da Copel Telecom até o final deste ano, em meio a planos de desinvestimento de ativos não essenciais.

Analistas da área de elétricas e utilities do BTG apontaram que a subsidiária de telecom teve geração de caixa medida pelo Ebitda de R$ 190 milhões em 2019 e lembraram que a elétrica mineira Cemig vendeu sua unidade no setor em 2018 por valor que representava 1,1 vezes o Ebitda.

"Se nós assumirmos o mesmo múltiplo para a Copel, estaríamos falando em um valor de empresa (EV, incluindo dívidas) de R$ 2,09 bilhões, ou um valor de equity de 1,86 bilhão (R$ 6,8 por ação). Nós atualmente avaliamos o negócio em 1,215 bilhão (R$ 4,4 por ação), sendo que ele tem valor contábil de 71 milhões (ao final de 2019)", escreveram em relatório na quarta-feira.

O desinvestimento ajudaria na desalavancagem da Copel, acrescentaram os analistas, projetando que isso poderia abrir espaço para maior pagamento de dividendos pela companhia.

Eles apontaram, no entanto, que as incertezas associadas à pandemia de coronavírus tornam improvável um movimento como esse.

"Em um ambiente normal, a Copel poderia melhorar sua estrutura de capital aumentando a distribuição de dividendos para ao menos 50% (dos lucros), contra 25% atualmente. Mas, devido à pandemia e Covid-19, seríamos surpreendidos se houvesse um pagamento maior neste ano", escreveram os analistas.

Em um relatório em maio de 2019, a equipe do BTG Pactual havia estimado que a venda da Copel Telecom poderia levantar entre 1,6 bilhão e R$ 1,8 bilhão para a estatal paranaense.