'Queda em arrecadação será ainda maior em maio', alerta governador do ES

Políticos irão se reunir com o presidente Jair Bolsonaro nesta quinta para discutir pacote de ajuda aos estados

21 de maio de 2020 às 09:17

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) realizará, a partir das 10h desta quinta-feira (21), uma videoconferência com os 27 governadores dos estados brasileiros. Bolsonaro comentou à imprensa, nos últimos dias, que o foco principal da reunião é tratar do socorro do governo federal às finanças de estados e municípios durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O enfrentamento ao vírus, no entanto, também deve ser discutido.

Renato Casagrande (PSB), governador do Espírito Santo afirmou à CNN que espera ser um 'encontro produtivo e de ambiente estável' para que o assunto principal, que é a ajuda aos estados e municípios, seja debatido e sancionado.  Ele alertou também para a queda na arrecadação dos estados em maio, pedindo urgência na sanção do projeto.

Leia também:

Com ajuda a estados e Covid-19 na pauta, Bolsonaro tem reunião com governadores
Centrão pede troca de líder do governo na Câmara

"Expectativa é que seja uma reunião produtiva, equilibrada, ambiente estável e de relação institucionais necessárias neste momento de crise. A minha última experiência de reuniões com o presidente não foi muito boa, mas ontem fizemos uma reunião preparatória entre os governadores, todos estão imbuídos em fazer uma reunião muito equilibrada. Tenho certeza que o presidente Bolsonaro e sua equipe também deseja isso, mesmo que tenhamos visões diferentes em alguns pontos importantes da pandemia", disse. 

O político disse ainda que a grande maioria dos governadores defende o veto de reajuste aos servidores públicos e a aprovação do texto de prorrogação do pagamento de dívidas. 

"Temos muita pressa na solução do projeto de ajuda aos estados por conta da dificuldade que os estados estão vivendo. Espero que ele sancione o mais rápido para que sejam feitos os repasses. Estamos ansiosos pela sanção deste projeto, mesmo com a possibilidade de vetos."

"Nós perdemos 8,21% da nossa receita de abril em relação ao mesmo período do ano passado. No mês de maio esse número ficará entre 25% a 30%. Todos os estados, sem exceção, perderão mais receita no mês de maio. A crise é mundial e o mundo parou. Aqui no Espírito Santo ainda temos uma crise de receita devido a queda do petróleo", alertou Casagrande.