Decisão de Trump não impacta atividade comercial com o Brasil, diz CEO da Amcham

Por causa da Covid-19, o presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu neste domingo (24) que proibirá a entrada de quem esteve no Brasil nos últimos 14 dias

Da CNN, em São Paulo
25 de maio de 2020 às 15:57

Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (25), a presidente da Câmara Americana de Comércio (Amcham), Deborah Vieitas, disse não acreditar que a restrição da entrada de brasileiros nos Estados Unidos irá impactar as atividades comerciais entre os dois países.

O presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu neste domingo (24) que proibirá a entrada de pessoas que estiveram no Brasil nos últimos 14 dias. Segundo ele, passageiros vindos do país ameaçam a segurança dos norte-americanos por conta da pandemia do novo coronavírus.  

A decisão de Trump, na visão da CEO, não incomodou os empresários, que neste momento estão muito mais preocupados com a sua condição interna. Os pequenos e médios, principalmente, aguardam a chegada das medidas de auxílio já sinalizadas pelo governo federal. 

Segundo ela, mesmo com esse anúncio, não estão limitados os voos de carga entre o Brasil e os Estados Unidos e, portanto, o fluxo de bens entre os dois países continua possível. 

       Leia também:

      Como ficam os voos do Brasil para os EUA após restrição do governo americano

      Após Trump cogitar suspensão de voos, EUA anunciam ajuda de R$ 17 mi ao Brasil

Além disso, no comunicado foi enfatizado o desejo de continuar a parceria econômica com o Brasil. 

De acordo com Deborah, as discussões para uma primeira etapa do que seria um "amplo acordo comercial" estão em curso.

"Ela não envolve tarifas, mas envolve temas como redução de barreiras não tarifárias, convergência regulatória, facilitação de procedimentos aduaneiros e até mesmo, quem sabe, um potencial acordo de bitributação".