Negros têm mais dificuldade para abrir e manter o próprio negócio no Brasil

Segundo Adriana Barbosa, CEO da Preta Hub, o empreendedorismo foi o caminho que a população negra encontrou após o final da escravatura

Da CNN
08 de junho de 2020 às 23:40

Empreender, muitas vezes, é sinônimo de realizar o sonho de ter o próprio negócio. Mas, para uma parcela da população, é uma alternativa para sobreviver. No Brasil, um mapeamento inédito feito pelo banco JP Morgan e pela aceleradora Preta Hub mostra que a população negra tem dificuldades para abrir e manter a própria empresa. 

O levantamento traçou um perfil do empreendedor negro no Brasil: 68,6% tem até 40 anos, mais da metade, 59,3%, não tem ensino superior e aproximadamente 30% tiveram crédito negado sem explicação.

Leia também:

Guedes diz a deputados que vai criar o programa Renda Brasil

'Não se culpe se seu negócio falir por causa do coronavírus', diz Flávio Augusto

Segundo Adriana Barbosa, CEO da Preta Hub, o empreendedorismo foi o caminho que a população negra encontrou após o final da escravatura. Ou seja, foi a lógica da necessidade. 

"Acesso a crédito, a maquinário, a tecnologia são grandes desafios enfrentados pela população negra. Especialmente em tempos de Covid-19, uma outra questão é em relação a internet", disse. 

Edson Mackeenzy hoje é diretor de investimento da TheVenture City, uma empresa global, mas seu o espírito de empreendedor começou cedo. Aos 16 anos, estava no bar da família. Aos 18, pegou sua bicicleta velha e foi procurar um contador para ajudá-lo a abrir sua produtora de áudio. 

"Abrir uma empresa era caro. [Perguntaram] por que você não compra uma bicicleta nova ao invés de abrir uma empresa? Eu falei que uma empresa ia me ajudar a chegar onde eu quero e uma bicicleta não", contou ele.

O negócio se modificou, mas não conseguiu resistir às dificuldades e fechou as portas. 

"Ser negros é um dos pontos mais duros, mas a gente tem vários pontos que também são difíceis. As pessoas olham para você com desconfiança, sem acreditar que você pode atingir aquele objetivo", falou Mackeenzy.

O mapeamento também mostra que um terço dos empreendedores negros operam em rede para priorizar parcerias com outros negros. 

O afroempreendedorismo, mais que um sonho de abrir uma empresa, é também um meio de sobrevivência que busca diminuir diferenças sociais e cicatrizar feridas históricas vividas no Brasil.

(Edição: André Rigue)