Sebrae lança cartilhas para retomada de micro e pequenas empresas

Segundo o Sebrae, sete das cartilhas já podem ser acessadas no site oficial

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
09 de junho de 2020 às 16:22 | Atualizado 09 de junho de 2020 às 17:18
Homem em frente a lojas fechadas: Sebrae lança cartilhas para diversos setores com orientações
Foto: Amanda Perobelli/Reuters (20.mar.2020)

A pedido da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) lançou, nesta terça-feira (9), protocolos com orientações para a retomada das atividades econômicas em micro e pequenas empresas. No total, são 35 documentos para 47 setores diferentes da economia, atingindo mais de 14 milhões de empresas brasileiras. 

Segundo o Sebrae, sete das cartilhas – para bares e restaurantes, negócios da moda, lojas de rua e shoppings, clínicas de saúde, academias, hospedagem e negócios de beleza – já podem ser acessadas no site da entidade. As demais estarão disponíveis a partir de 15 de junho. As orientações gerais envolvem métodos de segurança e higiene, bem como ações específicas para cada estabelecimento.

O secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, destacou que a retomada segura das atividades está no topo das preocupações da pasta.

Leia também:
Sindicatos temem por transporte e falta de testes na reabertura em SP
Dia dos Namorados: 70% dos empresários esperam queda nas vendas, diz Boa Vista

"É importante ressaltar que as diretrizes para isso vêm do Ministério da Saúde. Outro ponto é que, pela orientação do STF, os governos locais que decidem o que abre e o que fecha e quando. Nós, do Ministério da Economia, podemos dar orientações e atuar no apoio dos nossos empresários que querem voltar a trabalhar, apoiar aqueles que já estão em situação delicada mas começam a abrir no Brasil inteiro", comentou. 

Os documentos do Sebrae sugerem que os segmentos com maior densidade, como alimentação, moda e beleza, e os mais afetados pela pandemia, como turismo, economia criativa e saúde, sejam priorizados. A entidade também defende a prioridade na retoma das atividades da construção civil, logística e transporte, varejo tradicional, artesanato, pet shop, indústrias de base tecnológica, reparação veicular e serviços educacionais.

Na avaliação de Carlos da Costa, as orientações do Sebrae são "concretas e baseadas em conhecimento sólido técnico". "Tem um potencial de ajudar milhões de empresas e milhares de municípios, que não tem capacidade técnica para definir as orientações. É um passo extremamente necessário para ajudar as empresas locais para que não haja vários protocolos diferentes", disse. 

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, reforçou a importância das orientações para a retomada sustentável. "Mais importante do que abrir, é se manter aberto e ter um local mais seguro", afirmou. 

Crédito 

Melles também destacou o trabalho da equipe econômica no acesso ao crédito para micro e pequenas empresas.

“Não é subsidiado, mas com garantia total do governo. Imagine colocar 30% do faturamento do ano anterior como capital de giro para a micro e pequena empresa. É um número astronômico mas é preciso que se inicie porque é nisso que está a principal geração de emprego: as micros e pequenas empresa empregam mais de 50% dos trabalhadores do país. Com o crédito orientado, vamos poder fazer aquilo que a gente sempre sonhou: melhorar a produtividade", afirmou. 

Carlos da Costa lembrou que a orientação do ministro Paulo Guedes tem sido na necessidade de a equipe econômica trablahar para que o crédito chegue na ponta.

"Estamos fazendo isso com o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), que deverá chegar essa semana ainda nos bancos inscritos, uma vez que já concluimos na quarta-feira da semana passada a regulamentação", observou. 

Ele comentou ainda que regulamentação da linha de financiamento pelo Fundo Garantidor para Investimentos está sendo concluída pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). "Deverá chegar até o fim deste mês. Os bancos vão precisar estar com seus sistemas prontos", completou.

Clique aqui e siga a página do CNN Brasil Business no Facebook