Calendário: quando será possível fazer o saque emergencial do FGTS

Caixa Econômica Federal divulgou neste sábado calendário para pagamento do benefício de até R$ 1.045 dos valores disponíveis em contas ativas ou inativas

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
13 de junho de 2020 às 17:32
Saques de até R$ 1.045 de contas ativas ou inativas do FGTS começará em 29 de junho
Foto: Divulgação/Caixa

A Caixa Econômica Federal divulgou neste sábado (13) o calendário do saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que começará no fim de junho e irá até setembro, de forma escalonada, como outros benefícios pagos pelo banco durante a pandemia do novo coronavírus.

O calendário de crédito começa dia 29, para nascidos em janeiro, e terá o intervalo de uma semana para os meses seguintes de nascimento. Ou seja, quem nasceu em fevereiro terá o recurso liberado dia 6 de julho, e assim por diante.

Leia também:

Governo publica MP que autoriza poupança social digital para o pagamento de FGTS

Com a taxa de juros em baixas históricas, ainda é vantajoso sacar o FGTS?

O calendário, no entanto, amplia esse escalonamento para 14 dias entre o pagamento para os nascidos em julho (previsto para o dia 10 daquele mês) e os nascidos em agosto (previsto para o dia 24). Depois, volta ao normal, com diferença de 7 dias entre os créditos.

Num primeiro momento, o valor creditado na conta digital estará disponível apenas para pagamento de contas e boletos e compras online e por maquininhas, por meio do aplicativo Caixa Tem.

A liberação para transferências e saques começa em 25 de julho, para nascidos em janeiro. Novamente haverá intervalo para os nascidos nos meses seguintes, variando entre 7 e 14 dias (veja na tabela acima).

Em entrevista, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou que os pagamentos escalonados são feitos para evitar aglomerações durante a pandemia de Covid-19.

“Não existe falta de papel. Essa discussão não existe. O objetivo é evitar aglomerações. Oito em cada dez brasileiros receberão algum recurso da Caixa”, afirmou Guimarães.

(Com informações de Noeli Menezes, da CNN, em Brasília)