Marcos Troyjo é exonerado do governo para assumir Banco do Brics

Até então, Troyjo atuou como secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia

Diego Freire, da CNN, em São Paulo
26 de junho de 2020 às 04:58 | Atualizado 26 de junho de 2020 às 05:07
O novo presidente do NDB, Marcos Troyjo
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Marcos Prado Troyjo foi exonerado, nesta sexta-feira (26), do cargo de Secretário Especial de Comércio Exterior e Internacionais do Ministério da Economia. A medida, publicada no Diário Oficial da União (DOU), foi assinada presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, com a observação de que a saída vale retroativamente "a partir de 15 de junho de 2020".

Troyjo foi eleito, em 27 de maio, presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, na sigla em inglês), entidade financeira multilateral, operado pelo broco do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). O mandato vale por cinco anos. 

Por acordo anterior, já era sabido que o comando do banco seria do Brasil, mas os outros países precisaram aprovar a indicação de Troyjo.

Ele sucederá o indiano Kundapur Vaman Kamath, primeiro a comandar o banco, criado na na cúpula do Brics de Fortaleza, em 2014.

Para substituir Troyjo no governo federal, o ministro da Economia Paulo Geudes já indicou que nomeará o economista Roberto Fendt como novo secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais da pasta.