Pandemia mudou padrões de consumo e interação social, diz presidente da Google


Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
04 de julho de 2020 às 11:34 | Atualizado 04 de julho de 2020 às 11:55

Um dos efeitos da pandemia do novo coronavírus, que forçou milhões de pessoas a ficarem em suas casas para evitar a propagação da doença, foi a mudança dos padrões de consumo e de interação social, disse o presidente da Google Brasil, Fábio Coelho.

E, neste sentido, o Brasil tem algumas peculiaridades em relação ao resto do mundo. “Depois de um primeiro momento em que as pessoas tiveram que estudar e trabalhar, a gente começou a ver uma série de comportamentos novos acontecendo. As pessoas passaram a entender como valorizar mais seu tempo, começaram valorizar saúde mental, coisas que antes tinham como parte do dia a dia”, disse Coelho, em entrevista à CNN.

Em relação a um legado social motivado pela quarentena, o executivo disse que as buscas no Google indicam que as pessoas têm sem mostrado mais solidárias. “Temos visto um maior número de buscas sobre “como posso ajudar” e essas buscas refletem uma sociedade onde as pessoas começam a ver que na correria do nosso dia a dia a gente tinha mais coisas do que precisava.”

Ele disse que o próprio Google tem uma série de programas de mentoria, para ajuda empreendedores e para que as pessoas possam aprender de suas casas.

Coelho acreditam também que as empresas tiraram aprendizados desse momento, em especial em relação à digitalização de seus serviços. “Elas aprenderam que podem entregar na sua casa e você pode consumir, estudar e trabalhar de qualquer lugar. E, logicamente, isso cria um consumidor diferente, mais preocupado com prazos de entrega, com uma boa experiência digital e a qualidade do produto que chega à sua casa.”

Neste sentido, ele destacou que muitas companhias tiveram que acelerar processos em curso enquanto outras optaram por parcerias para atingirem as expectativas e necessidades de seus usuários.