Diretores da Citroen e Toyota avaliam mudanças no setor e retomada econômica

O diretor comercial Citroen do Brasil, Edgard Alexandrino, e a diretora de Comunicação e Sustentabilidade da Toyota do Brasil, Viviane Mansi, falaram à CNN

Da CNN
10 de julho de 2020 às 11:03

Representantes do setor automotivo, o diretor comercial da Citroen do Brasil, Edgard Alexandrino, e a diretora de comunicação e sustentabilidade da Toyota do Brasil, Viviane Mansi, falaram à CNN, nesta sexta-feira (10) sobre as mudanças e perspectivas da retomada diante das restrições sanitárias e econômicas provocadas pela pandemia da Covid-19.

Viviane considerou a mudança do comportamento do consumidor no momento de comprar um novo veículo. "Estamos vivendo uma situação completamente nova e faz parte desse setor esse hábito de experimentar e sentar no veículo, e não é o que está acontecendo agora", pontuou ela, que frisou a relevância que os canais digitais ganharam neste contexto.

"Estamos fortalecendo os nossos canais digitais, porque é a maneira mais segura, neste momento, de oferecer conforto aos nossos clientes. E é importante que a gente garanta um contato que seja produtivo para todos os lados", completou.

Leia e ouça também:

Onix, HB20: veja o valor dos seguros dos carros mais vendidos em junho
Troca com troco: Venda de carros com mais de 12 anos dispara e 0 km cai 36%

Sobre a retomada das vendas, Alexandrino falou sobre a tendência do interesse em compra de veículos usados em meio à crise econômica e perda de empregos na pandemia. "O seminovo é sempre muito importante para a rede de concessionárias. Com a perda de renda dos consumidores, ele se torna cada vez mais relevante – tanto para lojistas quanto para concessionários", avaliou.

O representante afirmou que a perspectiva de mercado para 2020 é menor do que o volume do ano passado –  com queda de 35% em relação a 2019 –, mas que isso não alterou os investimentos em novos lançamentos da Citroen.

"Temos programação para lançamentos para 2021 como tem para 2022 e 2023", informou ele, que ainda viu retomada mais forte a partir de 2021.