Alcolumbre deve ceder a Maia e convocar comissão mista da reforma tributária

Alcolumbre vinha resistindo a convocar a comissão mista por pressão de outros senadores, como Tasso Jereissati (PSDB-CE) e Simone Tebet (MDB-MS)

Por Igor Gadelha, CNN  
17 de julho de 2020 às 09:59 | Atualizado 17 de julho de 2020 às 10:11

Após resistência inicial, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, deve ceder ao apelo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e convocar a comissão mista do Congresso para debater a reforma tributária. 

A indicação foi dada pelo presidente do Senado em conversa nesta quinta-feira (16) com o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PI), relator da proposta no colegiado especial misto. 

Leia também:

A investidores, Guedes rebate 'pessimismo' e promete reforma tributária na terça

Horário de Brasília: Guedes quer um novo imposto para chamar de seu

Alcolumbre vinha resistindo a convocar a comissão mista por pressão de outros senadores, como Tasso Jereissati (PSDB-CE) e Simone Tebet (MDB-MS), que avaliam ser arriscado debater a reforma durante a pandemia.

Alguns parlamentares temem que o governo aproveite que os trabalhos do Congresso estão remotos e tentem “empurrar” a aprovação do imposto sobre transações financeiras nos moldes da extinta CPMF.

Candidato à reeleição ao comando do Senado na disputa de fevereiro do próximo ano – embora ainda sem garantias jurídicas –, Alcolumbre não quer desagradar seus colegas. 

Como a CNN noticiou, o ministro da Economia, Paulo Guedes, indicou que a proposta de reforma tributária que entregará na próxima terça-feira (21) a Alcolumbre não deve prever o novo imposto. 

A resistência inicial do presidente do Senado levou Maia a retomar os trabalhos da comissão especial da reforma tributária exclusiva da Câmara, que realizou reunião nesta quinta-feira (16).