Bolsonaro diz que tributação digital não é nova CPMF

Segundo o presidente, a ideia é que o novo tributo seja uma compensação para desonerar a folha de pagamento

Agência Brasil
19 de julho de 2020 às 00:07 | Atualizado 19 de julho de 2020 às 07:32
O presidente Jair Bolsonaro
Foto: Marcos Corrêa / Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) negou neste sábado (18) que o ministro da Economia, Paulo Guedes, esteja querendo recriar a CPMF.  

“O que o Paulo Guedes está propondo não é CPMF, é uma tributação digital para financiar um programa”, disse o presidente da República em conversa com apoiadores, após cerimônia de arreamento da bandeira brasileira, na entrada do Palácio da Alvorada.

Assista e leia também:

Economistas veem com cautela criação de 'nova CPMF'

'Nova CPMF' teria peso muito maior sobre a economia que antiga, diz ex-ministro

Mourão defende 'nova CPMF' para financiar o Renda Brasil

Segundo Bolsonaro, que estava do outro lado do espelho d'água, na parte interna do gramado do Alvorada, a ideia é que o novo tributo seja uma compensação para desonerar a folha de pagamento. “É uma compensação, é eliminar um montão de encargo em troca de outros”, disse.

A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) foi uma cobrança que incidiu sobre todas as movimentações bancárias - exceto nas negociações de ações na Bolsa de Valores, saques de aposentadorias, seguro-desemprego, salários e transferências entre contas correntes de mesma titularidade - e vigorou no país por 11 anos.