Guedes admite dificuldade para articular governo e fechar proposta de reforma

Em reunião reservada com a cúpula do Congresso, o ministro citou falta de coordenação política do governo no envio da reforma tributária

Do Estadão Conteúdo
22 de julho de 2020 às 08:10 | Atualizado 22 de julho de 2020 às 09:04
Ministro da Economia, Paulo Guedes, na reunião ministerial em 22 de abril, no Palácio do Planalto.
Foto: Marcos Corrêa/PR

Em reunião reservada com a cúpula do Congresso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu um atraso e uma falta de coordenação política do governo Jair Bolsonaro no envio da reforma tributária, conforme apurou o Estadão/Broadcast.

Na sala da Presidência do Senado, antes das declarações públicas à imprensa, Guedes defendeu o avanço de marcos regulatórios para estimular investimentos. Ao falar sobre essas propostas, afirmou que o próprio governo dificultou o avanço da reforma tributária, que ficou parada no Congresso à espera do texto do Executivo.

Leia também:
Reforma fatiada cria imposto unificado mais alto e deixa carga total incerta
Reforma tributária do governo prevê alíquota de 12% e isenção da cesta básica

"E, da mesma forma, um atraso nosso na articulação política, quase fizemos essa reforma lá atrás. Ainda bem, deu tempo e melhoramos bastante, mas a verdade é que nós nos atrasamos na reforma tributária", disse Guedes na reunião.

Em setembro de 2019, o ministro demitiu o então secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, em meio às discussões sobre a criação de um imposto nos moldes da extinta CPMF. Agora, o governo estuda criar um "imposto digital".

"Nós estávamos praticamente entusiasmados ali pela metade do ano poderíamos ter quase aprovado ali, mas, por uma descoordenação política nossa, de governo, do Executivo, nós acabamos dificultando um pouco a coisa toda", admitiu o ministro da Economia.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook