Magalu adere ao cashback e vai devolver dinheiro de compras feitas pelo app


Manuela Tecchio, do CNN Brasil Business, em São Paulo
28 de julho de 2020 às 15:52 | Atualizado 28 de julho de 2020 às 16:06
Fachada de loja da varejista Magazine Luiza

Cashback pode ser usado também em lojas físicas

Foto: Magazine Luiza/Divulgação

Queridinha no varejo – e dos investidores – a Magazine Luiza tem uma nova aposta para alavancar suas vendas. Depois de lançar sua carteira digital para pagamentos de contas e transferências entre usuários no início do ano, a Magalu vai aderir ao sistema de cashback, ou, no bom português, dará o “dinheiro de volta” para clientes que comprarem alguns produtos selecionados por meio do aplicativo. A novidade passa a valer a partir desta quarta-feira (29).

O sistema funcionará da seguinte maneira: ao adquirir os itens que oferecem cashback, o cliente recebe créditos que podem ser usados tanto em futuras compras quanto em transações financeiras, como pagar boletos ou mesmo realizar transferências para outros usuários da plataforma. Não há qualquer impeditivo a usar o saldo em lojas físicas.

O valor, que é calculado com base no preço do produto, sem incluir taxas e frete, fica disponível até 20 dias após a confirmação do pagamento do pedido. A jogada é uma forma de consolidar o aplicativo como um intermediário para outras ações dos consumidores no cotidiano, nos moldes em que operam os 'superapps' Alibaba e WeChat, na China.

Leia também:

Varejo não vai aceitar aumento de impostos, diz Luiza Trajano, do Magazine Luiza
Magalu reduz salário de CEO em 80% e vai emitir dívida para enfrentar COVID-19
Venda online dispara, e ação da Magazine Luiza já vale mais que antes da crise

“O cashback é uma forma de estreitar e de aumentar a frequência de nosso relacionamento com o cliente”, disse Eduardo Galanternick, diretor-executivo de e-commerce do Magalu, em nota. “Tudo vai ser centralizado em nosso superapp e nossa carteira digital é chave para nossa estratégia. Temos todas as condições de ser a empresa que vai popularizar o pagamento digital no Brasil”, conclui. 

Para usufruir da vantagem, o cliente precisa ser maior de idade, ter uma conta no MagaluPay — o sistema de pagamentos da loja —, e não pode estar negativado. Caso a compra seja cancelada ou o produto devolvido, o valor creditado na carteira digital do cliente é retirado. Quem ainda não possui conta no MagaluPay, mas quer aproveitar a novidade, não perde os créditos, que podem ser ativados até 19 dias depois.

Na data de lançamento, modelos de geladeira, celular e smart TV serão os primeiros produtos a oferecerem o cashback (que pode chegar a R$ 1 mil em alguns casos) a cerca de 25 milhões de clientes da varejista. Famoso no TikTok, com 46 milhões de seguidores, o ilusionista e influenciador americano Zach King vai ser a cara da campanha de divulgação do novo serviço.

O mercado de cashback

Na mira das varejistas desde meados de 2011, o formato de "dinheiro de volta", descontos e cupons ganharam protagonismo no mercado brasileiro com empresas como Méliuz e Picpay. Com o passar dos anos, porém, as redes passaram a administrar diretamente os descontos, sem precisar de aplicativos intermediários – fazendo com que o cashback ficasse integrado à carteira virtual do próprio varejista. 

Em 2019, por exemplo, a B2W e Lojas Americanas ampliaram suas ações no segmento para além do canal digital: pontos físicos das Lojas Americanas passaram a oferecer o benefício, por meio de QR Code gerado na hora e liberado diretamente no aplicativo de celular. Na esteira das Lojas Americanas, o Mercado Livre também não demorou a aderir o modelo para lojas físicas e, em parceria com o Itaú, passou a viabilizar o modelo. 

Agora, foi a vez da Magalu de dar mais um passo para integrar o processo de digitalização em seus negócios e expandir o acesso e uso dos aplicativos entre seus consumidores – além de, claro, ampliar a conexão entre loja física e canais online.