Lucro do Santander Brasil cai 41% no 2º tri com provisão de R$3,2 bi


Da Reuters
29 de julho de 2020 às 08:38 | Atualizado 29 de julho de 2020 às 08:38
santander
Foto: Amanda Perobelli/Reuters

O Santander Brasil reportou nesta quarta-feira (29) queda de mais de 40% no lucro do segundo trimestre, após provisionar R$ 3,2 bilhões para potenciais perdas com empréstimos por causa da crise desencadeada pelo coronavírus, seguindo medidas já tomadas pelos concorrentes no primeiro trimestre.

O lucro líquido recorrente somou R$ 2,136 bilhões no segundo trimestre, queda de 41,2% em relação ao mesmo período do ano anterior, praticamente em linha com a média das expectativas compiladas pela Refinitv, de R$ 2,213 bilhões.

Leia também:
Para bancar desoneração, governo vai propor 'microimposto', diz Afif
Santander, Itaú e Bradesco lançam plano conjunto para preservação da Amazônia

O total de provisões para perdas com operações de crédito mais que dobrou em relação ao mesmo período do ano anterior, para R$ 6,534 bilhões. Ao contrário de seus rivais, o Santander Brasil ainda não havia feito um colchão para o aumento esperado na inadimplência.

Em comunicado, o banco disse que decidiu reservar alguns bilhões de reais após realizar um teste de estresse.

Ainda assim, seu índice de inadimplência em 90 dias caiu de 3% para 2,4%, no primeiro trimestre. Como o Santander concedeu a seus clientes um período de carência de 90 dias para ajudá-los a enfrentar a crise do coronavírus, a inadimplência de empréstimos não reflete totalmente potenciais perdas relacionadas à crise do coronavírus.

O retorno sobre o patrimônio do banco, um indicador de rentabilidade, ficou em 12%, queda de mais de 10 pontos percentuais em relação ao trimestre anterior.

A receita com tarifas mais baixa, uma vez que os pagamentos com cartão caíram em meio às medidas de isolamento, juntamente com uma queda em serviços de conta corrente, também pressionaram o lucro líquido, superando os esforços do banco para cortar custos.

Ainda assim, a carteira de empréstimos do banco cresceu 1,2% no trimestre, impulsionada por empresas de todos os portes. O estoque de crédito para pessoas físicas encolheu.

A unidade brasileira do Banco Santander da Espanha também registrou um aumento de 13,4% na margem financeira, para R$ 13,620 bilhões, principalmente por ganhos maiores com tesouraria.

As units do Santander Brasil estão com queda de 36% no ano, abaixo do desempenho dos maiores credores listados no Brasil.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook