Decisão sobre importação de etanol americano caberá a Bolsonaro

Donald Trump quer liberação para exportar o combustível para o Brasil com tarifa zero, de olho nas eleições em novembro

Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
30 de julho de 2020 às 20:42 | Atualizado 30 de julho de 2020 às 20:46
Usina de etanol: pressão de produtores nacionais contra a entrada do produto americano no país
Foto: Paulo Whitaker/Reuters

É bastante provável que a decisão sobre liberar ou não a importação de etanol de milho dos Estados Unidos seja tomada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, às vésperas de terminar a cota hoje em vigor que permite a entrada de 750 milhões de litros com tarifa zero. A cota expira no dia 31 de agosto.

Pessoas envolvidas de perto na discussão não descartam até um telefonema de Donald Trump para o mandatário brasileiro tamanha a sensibilidade política do tema nos Estados Unidos. Os produtores de milho são fundamentais para decidir o voto em alguns “swing states” (estados em que não há um domínio claro nem de republicanos nem de democratas) e faltam menos de cem dias para as eleições nos EUA.

O assunto é muito delicado e não há consenso no governo brasileiro, que sofre com pressões em sentido contrário vindas do embaixador americano, Todd Chapman, e dos produtores locais de açúcar e álcool.
Enquanto o Ministério da Agricultura defende a retomada da tarifa de 20% para a importação de etanol, apoiando o pleito dos agricultores locais, o Itamaraty quer manter uma boa relação com os americanos. O Ministério da Economia ainda não formou uma posição.

Leia também:
Temos que proteger nossos principais mercados, como a China, diz Tereza Cristina
Incertezas e protecionismo global complicam retomada de investimentos no Brasil
Queda na demanda por etanol pressiona indústria de cana do Brasil

O ímpeto do ministro Paulo Guedes e de sua equipe é defender o livre mercado, já que o etanol importado significa apenas 3% do consumo brasileiro do combustível. Em teoria, o Brasil é o segundo maior produtor mundial, atrás dos EUA, e defende a comercialização livre do produto em todo o mundo.

O problema é que o etanol americano chega pelos portos do Nordeste, deslocando principalmente os produtores locais, que geram mais empregos, porque sua produção é menos mecanizada. Daí a forte reação da bancada de deputados da região.

Os produtores locais dizem que, se querem abrir o mercado brasileiro de etanol, os americanos deveriam dar reciprocidade e liberar a compra de açúcar brasileiro. O argumento tem repercussão dentro da equipe econômica. Mas incluir o açúcar na discussão é o mesmo que interditar o debate, tamanho o protecionismo americano nessa área. E os produtores brasileiros sabem disso.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook