Demanda por turistas no litoral norte de SP surpreende donos de pousadas

'Melhor do que eu poderia esperar', afirma empresário em Caraguatatuba

Do CNN Brasil Business, em São Paulo
10 de agosto de 2020 às 12:10 | Atualizado 10 de agosto de 2020 às 12:15

Praia no Guarujá (SP) vazia durante a quarentena por causa da pandemia do novo coronavírus
Foto: Divulgação/Prefeitura do Guarujá

Depois de 97 dias de portas fechadas, o Hotel Pousada Vivendas do Sol e Mar, em Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo, foi reaberto.

"Foi um momento muito difícil. Conseguimos reabrir, mas a outra pousada que eu tinha precisei fechar definitivamente. Dias de insegurança, desespero. Precisei demitir funcionários", afirma Rodrigo Tavano, proprietário do estabelecimento e vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de São Paulo (ABIH-SP).

Tavano se diz surpreso com a presença de hóspedes desde a reabertura. "Melhor do que eu poderia imaginar. No primeiro dia, já recebi um casal com uma criança. Achei que passaria vários dias sem clientes."

Leia também:
Retomada do setor de turismo em SP é esperada na fase verde, diz secretário
CVC aprova aumento de capital de cerca de R$ 703 milhões, a R$ 12,84 por ação
Retomada do turismo: conheça os destinos nacionais preferidos

Em julho, o hotel registrou 37% de ocupação, abaixo do índice de 85% no ano passado. Mas, segundo ele, 37% é um ótimo resultado neste momento. "Esperava entre 5 e 10%", diz.

Para voltar a receber os hóspedes, o local, que conta com 34 apartamentos, investiu em promoções de diárias e adotou todos os protocolos de segurança. "Instalamos recipientes de álcool em gel por todo o hotel, placas sinalizando o uso obrigatório de máscara e aferimos a temperatura de todos."

Café da manhã no quarto

Segundo ele, até a forma de servir o café da manhã mudou. "Somente à la carte. No dia anterior, o hóspede preenche o que deseja comer", afirma.

Ele diz que é gratificante receber novamente os clientes. "É emocionante ver o semblante de alegria dos nossos hóspedes. Muitos até choram de emoção entre eles", conta. 

Uma delas é a vendedora Mariana Ramos, de 37 anos, que esteve no último fim de semana no litoral norte com o marido e os filhos. "Depois de 120 dias em casa na capital paulista, decidimos viajar. Chegamos engessados sem saber como seria, mas tivemos dias incríveis."

Apesar da procura por hotéis em Caraguatatuba, o setor ainda está receoso. "A incerteza de oscilações em reabrir e fechar novamente gera insegurança. Sabemos que até ter a vacina não será nada fácil", estima Thiago Fabrette, da Associação de Hotéis e Pousadas.

(Com Estadão Conteúdo)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook