Mansueto Almeida, ex-Tesouro, vai ser o economista-chefe do BTG Pactual

Um dos homens de confiança de Paulo Guedes na equipe econômica vai assumir cargo estratégico no banco de investimentos

Do CNN Brasil Business, em São Paulo
10 de agosto de 2020 às 09:26 | Atualizado 10 de agosto de 2020 às 09:45
O ex-secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, durante entrevista coletiva em Brasília
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ex-secretário do Tesouro Mansueto Almeida, um dos homens de confiança do ministro Paulo Guedes, já tem destino fora do setor público. Ele vai assumir o cargo de economista-chefe do BTG Pactual a partir de janeiro de 2021, quando sua quarentena acabar.

O banco de investimentos confirmou a informação, que foi antecipada na manhã desta segunda-feira (10) pelo site Brazil Journal.

O cargo é atualmente ocupado por Claudio Ferraz.

Mansueto, que deixou o governo no mês passado alegando motivos pessoais, vai ser o segundo reforço recente da equipe econômica para o banco de André Esteves. Há um ano, chegou Eduardo Guardia, que atualmente é o CEO da gestora do banco, o BTG Asset Management. 

Leia também:
BTG Pactual anuncia oferta primária bilionária a ser precificada em 29 de junho
Bruno Funchal é nomeado novo secretário do Tesouro; Mansueto Almeida deixa cargo

Guardia e Mansueto entraram juntos no Ministério da Fazenda em junho de 2016, na equipe econômica "dos sonhos" montada pelo então ministro Henrique Meirelles, com profissionais competentes e experientes do setor privado.

Guardia entrou como secretário executivo da Fazenda, enquanto Mansueto assumiu a secretaria de Acompanhamento Econômico.

Com a mudança de governo em 2019, Guardia deixou o governo, enquanto Mansueto, conhecido pela conhecimento técnico, capacidade de articulação política e de criação de consensos, assumiu a importante e estratégica Secretaria do Tesouro.

Juntos, ajudaram o governo a planejar e a costurar a aprovação de medidas importantes para o reequilíbrio das contas públicas, como a Lei do Teto dos Gastos, a mudança na taxa de juros cobrada em empréstimos do BNDES e, mais recentemente, a reforma da Previdência (já sem Guardia).

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, foi outro nome da equipe econômica de 2016 a 2018. Atualmente, ele é o presidente do conselho de administração do banco suíço Credit Suisse no Brasil.

Outro economista com passagem pelo setor público que está no BTG é Eduardo Loyo, ex-diretor do Banco Central de 2004 a 2005. Loyo foi economista-chefe e atualmente é sócio do banco.

Procurado pelo CNN Brasil Business, Mansueto não havia retornado até o fechamento desta reportagem.

(Edição: Marcelo Sakate)