Retomada do turismo? Setor já sinaliza recontratações

Levantamento obtido pela CNN mostra que a maioria dos empresários do setor não pretende fazer cortes de funcionários e alguns já pensam em contratar

Thais Herédia
Por Thais Herédia, CNN  
10 de agosto de 2020 às 18:23 | Atualizado 10 de agosto de 2020 às 22:05

Difícil apontar setor que tenha perdido mais do que o turismo durante a pandemia. Viajar, hospedar-se em hotéis, visitar locais públicos, monumentos, tudo isso foi suspenso e começa só agora a experimentar um recomeço. Aqui no Brasil não foi diferente e, mesmo diante de perdas bilionárias, os empresários começam a enxergar luz no fim do túnel e se preparam para retomada. É o que mostra uma pesquisa inédita feita pelo Sebrae em parceria com a Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV), obtida pela CNN.

O levantamento revela que 78% dos empresários não pretendem demitir funcionários e 8% deles já pensa até em contratar. Para conseguir manter os empregos, a maioria precisou modificar suas estruturas e estratégias. Entre as medidas adotadas, 44% cortaram custos com renegociação de contratos e 43% reduziram gastos com matérias-primas. Muitos renegociaram as contas de energia, água e telefone e 22% cancelaram contratos de aluguel.

Leia também:
Retomada do turismo: conheça os destinos nacionais preferidos
Turismo paulista terá prejuízo de R$ 15 bilhões, diz governo

A tecnologia ajudou a manter o negócio funcionando minimamente. Segundo a pesquisa, a maioria das empresas, 41%, seguiu com serviços online, mas 38% suspenderam as atividades. Apenas 15% conseguiram retomar seguindo protocolos sanitários. Até agora, 7% das empresas encerraram os negócios, fechando as empresas.

Para 36%, a maior aflição é a incerteza com mercado de turismo, como vão ficar as companhias aéreas, as cadeias de hotéis, os parceiros locais e fornecedores de outros países. Acesso ao crédito aflige 24% dos entrevistados. Para 60% dos mais de 2500 ouvidos pelo Sebrae e pela ABAV, vai levar de 4 meses a um ano para que a operação volte definitivamente, a depender do fim da pandemia.

As perdas contabilizadas pelas agências atingiram praticamente todo o setor. O faturamento caiu para cerca de 95% dos pequenos negócios. Para 64% dos empresários, o terceiro trimestre vai continuar registrando queda na comparação com ano passado. A pesquisa foi aplicada entre 14 e 20 de julho, com a participação de 2.555 empresas de todos os estados e o Distrito Federal.

Um estudo recente da Fundação Getúlio Vargas apontou que o setor do turismo emprega cerca de 6 milhões de pessoas no Brasil. Segundo os pesquisadores da Fundação, mais de 700 mil podem perder o posto de trabalho até final do ano. Os prejuízos, podem ultrapassar R$ 163 bilhões de reais, com uma queda de 47% do PIB do setor, aproximadamente. A recuperação total do turismo local deve demorar pelo menos um ano e o dobro de tempo para o turismo internacional.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook