Marfrig tem lucro de R$ 1,6 bi no 2º tri com alta na exportação para a China

Segundo a companhia, as vendas de carne bovina para China e Hong Kong saltaram 145% na comparação com o mesmo trimestre de 2019

Nayara Figueiredo, da Reuters
12 de agosto de 2020 às 20:58 | Atualizado 12 de agosto de 2020 às 21:08

Foto: Divulgação/Ministério da Agricultura

A Marfrig (MRFG3) teve lucro líquido de R$ 1,59 bilhão no segundo trimestre, um salto ante os 87 milhões obtidos em igual período de 2019, melhora que a companhia atribuiu à melhora no desempenho operacional e firme demanda da China.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado subiu 266% ano a ano, a R$ 4,1 bilhões.

Leia também:
Exportações do agronegócio sobem 11% em julho puxadas pela China

A receita líquida consolidada atingiu R$ 18,9 bilhões, crescimento de 54% em relação ao mesmo intervalo do ano passado.

"Apesar do cenário adverso (com a pandemia da Covid-19), a companhia registrou um desempenho operacional significativamente acima da média do mercado...Buscamos comprar melhor e vender melhor", disse à Reuters o presidente da Operação América do Sul da Marfrig, Miguel Gularte.

"Nosso preço médio (de portfólio) subiu 18%, enquanto o mercado subiu 11%. Reduzimos os abates em linha com o mercado, de 10% a 11%, mas o custo com gado aumentou 31%, enquanto para a Marfrig subiu 29%", comparou.

No período, a receita líquida da Operação América do Sul --Brasil, Argentina, Uruguai e Chile-- atingiu R$ 4,4 bilhões, crescimento anualizado de 27,7%, enquanto o Ebitda ajustado passou de R$ 216 milhões para R$ 613 milhões.

Parte significativa deste resultado se deve ao forte avanço de exportações da Operação América do Sul para a Ásia. Segundo a companhia, as vendas de carne bovina para China e Hong Kong saltaram 145% no trimestre, no comparativo ano a ano, e representam 65% das receitas de exportação.

Gularte disse que este forte desempenho no mercado asiático foi impulsionado também pelo aumento no número de plantas habilitadas para exportar à China.

"O Brasil teve um acréscimo de 17 plantas aprovadas pelos chineses, em relação ao segundo trimestre do ano passado. A Marfrig, mais quatro", afirmou o executivo.

Atualmente com 13 unidades habilitadas pela China, a Operação América do Sul da Marfrig obteve 68% de suas receitas totais oriunda do exterior. Há um ano, essa fatia era de 52%.

Sobre a pandemia, Gularte ressaltou que nenhuma planta da empresa foi paralisada no Brasil e os gastos com medidas de prevenção alcançaram R$ 42 milhões desde o fim de março.

O food service foi o segmento mais afetado e a expectativa é que até o quarto trimestre haja uma normalidade.

Olhando para os próximos meses, Gularte vê um cenário de ajuste na oferta de gado no Brasil, relacionado a questões climáticas por ausência dos animais de confinamento, mas compensada por preços atrativos para a carne.

América do Norte

A receita líquida da Operação América do Norte atingiu US$ 2,7 bilhões no trimestre, alta anual de 19%, com salto de 170,3% no Ebitda ajustado para US$ 635 milhões.

Com isso, a operação representou 77% das receitas líquidas e 86% do Ebitda consolidado da Marfrig, um recorde.

"Por trás desse resultado estão a robustez do mercado americano que, por conta do isolamento exigido pela pandemia, teve o aumento de consumo e de preços finais, e a queda do custo do gado, provocada por uma maior oferta local", disse o presidente da empresa para a região, Tim Klein.

Gastos ligados à pandemia somaram US$ 48,5 milhões.

Ele destacou que com a queda de abates no segundo trimestre, houve aumento de oferta de gado, que deve se estender até 2021.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook