Presidente do Banco Central, Campos Neto é cotado para assumir Economia

Roberto Campos Neto se tornou um nome forte dentro do governo para assumir o Ministério da Economia caso Paulo Guedes decida deixar o posto

Thais Arbex
Por Thais Arbex, CNN  
15 de agosto de 2020 às 13:52 | Atualizado 15 de agosto de 2020 às 13:53
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (19.dez.2019)
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O atual presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, se tornou um nome forte dentro do governo para assumir o comando do Ministério da Economia no lugar de Paulo Guedes — caso o economista decida deixar o posto.

Aliados do presidente Jair Bolsonaro têm avaliado que o governo precisa de um novo chefe para a equipe econômica que tenha o compromisso com o teto de gastos e a responsabilidade fiscal, mas sem a intransigência de Guedes. 

A avaliação de auxiliares de Bolsonaro é a de que o ministro da Economia tem adotado uma postura de conflito e transmitido um discurso público que não condiz com a realidade.

O grupo de ministros chamados da ala desenvolvimentista, entre os quais Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), têm defendido que a emenda da calamidade dá garantia fiscal e jurídica para que o governo faça investimentos em obras de infraestrutura. 

Leia também:
A aliados, Bolsonaro põe em xeque manutenção de Guedes na Economia
Guedes só sai do governo se abandonarem agenda liberal, diz Carlos da Costa
'A água está fervendo' para o 'sapo' Paulo Guedes, alerta Schwarstman

O artigo segundo do texto diz que “com o propósito exclusivo de enfrentamento do contexto da calamidade e de seus efeitos sociais e econômicos, no seu período de duração, o Poder Executivo federal, no âmbito de suas competências, poderá adotar processos simplificados de contratação de pessoal, em caráter temporário e emergencial, e de obras, serviços”.