Governo avalia pagar auxílio emergencial de R$ 600 por mais um mês

Para isso, o presidente Jair Bolsonaro editaria uma nova medida provisória neste mês

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
19 de agosto de 2020 às 11:02 | Atualizado 19 de agosto de 2020 às 20:22
Pessoas fazem fila em agência da Caixa para tentar receber o auxílio emergencial
Foto: Pilar Olivares - 29.abr.2020/Reuters

O governo avalia estender o pagamento do auxílio emergencial no valor de R$ 600 por mais um mês, ao menos. Depois disso, estuda liberar outras prestações, só que com valor menor, de R$ 200 ou R$ 300. Para isso, o presidente Jair Bolsonaro editaria uma nova medida provisória neste mês.

Por se tratar de MP, a validade seria imediata. A ideia atende aos anseios de quem comemora a alta na popularidade do presidente Jair Bolsonaro e na percepção da sociedade de que a classe política ajudou as populações mais vulneráveis ao vírus.

Leia mais:
Auxílio emergencial: Caixa paga hoje benefício para nascidos em outubro
Ainda que desejável, manter auxílio emergencial não é possível, diz Guaranys

Como a CNN antecipou, o ministro Paulo Guedes admitiu a possibilidade de prorrogar o benefício. De acordo com ele, com moderação e sem furar o teto de gastos - o que dificulta a conta.

Inicialmente, o benefício seria pago até junho mas, após uma reavaliação entre políticos e a ala econômica, o governo liberou o auxílio por mais dois meses, relativos a julho e agosto. Houve pressão, no entanto, para o calendário ser revisto novamente.

A proposta de pagar o benefício dentro dos mesmos patamares atuais, para só então reduzí-lo, se enquadra na tese de "desmame gradual" da medida, para que os beneficiários não fossem tão impactados pelo término.