Líderes do governo, Maia e Guedes entram em campo para evitar derrubada do veto

Deputado Ricardo Barros quer discutir estratégia para manter o veto presidencial ao reajuste salarial para algumas categorias do funcionalismo público

Por Igor Gadelha, CNN  
20 de agosto de 2020 às 07:57 | Atualizado 20 de agosto de 2020 às 11:53

O novo líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), convocou líderes de partidos alinhados ao Palácio do Planalto para uma reunião por videoconferência às 11 horas desta quinta-feira (20).

O objetivo é discutir uma estratégia para manter na Casa o veto presidencial à medida que permite reajuste salarial para algumas categorias do funcionalismo público até o final de 2021.

Leia também:

Derrubada de veto ao aumento dos servidores é 'crime contra o país', diz Guedes

Bolsonaro quer prorrogar auxílio com valor menor, mas diz que 'R$ 200 é pouco'

O deputado Ricardo Barros (PP-PR) fala à CNN
Foto: CNN (18.ago.2020)

Em uma derrota para o governo, o veto foi derrubado pelo Senado em votação nesta quarta-feira (19). Na Câmara, a votação está marcada para começar às 15 horas de hoje.

“Estamos empenhados em manter o veto”, afirmou Barros à CNN. Segundo ele, o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), também deve participar da reunião.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também se comprometeu a ajudar governo a manter o veto. Avaliação da equipe econômica é de que, com a ajuda dele, as chances de manter o veto na Casa aumentam.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, também decidiu entrar pessoalmente na articulação. Para isso, inclusive, cancelou reuniões com auxiliares marcadas para a manhã desta quinta-feira.

Para um veto ser rejeitado, a decisão precisa ser tomada pelas duas Casas do Congresso. O Ministério da Economia calcula que a derrubada compromete uma economia fiscal entre R$ 121 bilhões e R$ 132 bilhões.