Auxílio emergencial tira 13 milhões de pessoas da pobreza extrema, aponta FGV

Por outro lado, seis milhões têm queda de renda per capita

Da CNN
26 de agosto de 2020 às 13:14

Desde a chegada da pademia de Covid-19 ao país, a adoção do auxílio emergencial fez com mais de 13 milhões de brasileiros saíssem da camada econômica mais baixa, com renda per capita domiciliar abaixo de meio salário mínimo por mês, e subissem para a faixa intermediária, com renda entre meio e dois salários mínimos.

Esta é a constatação de um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Leia também:

O governo não quer privatizar a Petrobras, diz Castello Branco
FGV: confiança do consumidor no Brasil sobe em agosto, mas ritmo desacelera

Auxílio emerginal tira 13 milhões de pessoas da pobreza extrema, aponta FGV
Foto: Reprodução/CNN

Ao mesmo tempo, a camada superior, formada por brasileiros com rendimentos familiares maiores, com mais de dois salários mínimos per capita, foi afetada por demissões e redução de salários. Com isso, quase 6 milhões de pessoas perderam renda.

Com isso, a camada econômica intermediária do país, ganhou mais de 20 milhões de pessoas, do final de 2019 a julho de 2020, totalizando mais de 132 milhões de pessoas. Isso representa 62,5% e meio da população brasileira.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

(Edição: Paula Bezerra)