Projeção do mercado para queda do PIB em 2020 volta a piorar após 9 semanas


Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
08 de setembro de 2020 às 09:05 | Atualizado 08 de setembro de 2020 às 17:19

Após nove semanas consecutivas de melhora na  projeção para o tombo do Produto Interno Bruto (PIB) 2020, os economistas do mercado financeiro revisaram a previsão para pior. A estimativa passou para retração de 5,31%, ante 5,28% na semana passada. 

A piora na projeção acontece uma semana após o resultado do PIB no segundo semestre, que registrou queda recorde de 9,7%. No fim de junho, a expectativa o mercado para a contração do PIB alcançou o pico de 6,54%. 

Leia também:
O pior já passou? Economistas avaliam o que esperar para o PIB até o fim do ano
Boletim Focus, do Banco Central: o que é e como impacta o mercado financeiro
Prévia da inflação fica em 0,23% em agosto com alta no preço dos combustíveis

Os números são do relatório semanal Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (8) pelo Banco Central. O documento reúne a estimativa de mais de 100 instituições do mercado financeiro para os principais indicadores econômicos. 

A previsão de contração econômica em 2020 reflete os impactos da pandemia da Covid-19, na economia nacional e mundial, que também caminha para uma recessão. 

As tendências de melhora nas previsões vinham acontecendo como reflexo dos dados positivos de indicadores macroeconômicos recentes, como a alta nos setores de indústria e de serviços em junho, bem como o saldo positivo na criação de vagas do mercado formal de trabalho. Com o resultado do PIB no segundo semestre, no entanto, o país entrou em recessão técnica. 

Inflação 

As expectativas para o índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) permaneceram praticamente estáveis, avançando de 1,77% para 1,78%. 

Com o resultado, a inflação do país segue abaixo do centro da meta de 2020, de 4,00%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual, ou seja, podendo variar de 2,50% a 5,50%. 

A meta é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e, para persegui-la, o BC eleva ou reduz a taxa de juros básica, a Selic. Atualmente, a Selic está na mínima histórica, a 2% ao ano. Quando a meta não é cumprida, o BC tem de escrever uma carta pública explicando as razões.

O mercado também espera que os juros voltem a subir gradualmente no ano que vem. Para o fim de 2021, a estimativa é de uma Selic a 2,88% a.a – mesmo valor que o apresentado pelo relatório na semana anterior. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook