Prévia do PIB, IBC-Br sobe 2,15% em julho, mas vem abaixo da previsão do mercado


Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
14 de setembro de 2020 às 09:48 | Atualizado 14 de setembro de 2020 às 11:26

A economia brasileira avançou pelo terceiro mês seguido em julho, com alta de 2,15% para o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), ante o mês anterior. O indicador é visto pelo mercado financeiro uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB). Em junho, o IBC-Br cresceu 5,32%, em relação ao mês anterior. 

Divulgado pelo Banco Central (BC) nesta segunda-feira (14), o resultado, apesar de positivo, veio abaixo das estimativas do mercado, que esperava alta entre 3% e 3,4%. 

Leia também:
Mercado volta a melhorar projeção para o tombo do PIB; previsão é de 5,11%
Paulo Guedes: acredito que a queda do PIB em 2020 será ainda menor que 4%
PIB menos pior: veja o desempenho da economia do Brasil comparada ao mundo

Comércio Rio de Janeiro

 

Foto: Jairo Nascimento da CNN

As três altas mensais consecutivas sinalizam recuperação da atividade econômica, a partir de maio, após forte tombo de 9,37% em abril, que foi o mês de maior impacto da crise econômica causada pela pandemia da Covid-19. No entanto, na comparação com o mesmo mês de 2019, o IBC-Br ainda registrou queda de 4,89%.

O indicador alcançou os 130,85 pontos em julho, porém  segue abaixo do patamar de 140 pontos, registrado em fevereiro, antes da pandemia.

No acumulado dos sete primeiros meses de 2020, o IBC-Br recuou 5,77%, na série sem ajuste sazonal. Nos últimos 12 meses encerrados em julho, o resultado é uma queda de 2,90%, também na série dessazonalizada.

PIB para 2020 e o efeito pandemia

Embora diversos setores já estejam demonstrando recuperação, com altas consecutivas nos últimos meses, como o varejo e, até mesmo, o setor de serviços, economistas avaliam que um dos principais desafios será a criação de empregos, afinal muitos autônomos perderam renda com a pandemia – só não foi pior pelo benefício do auxílio emergencial, que será prorrogado com um valor inferior.

Diante desse cenário, é provável que o recuo no terceiro trimestre seja menor, mas, ainda assim, trata-se de uma retração. Para o ano, a retração esperada pelo mercado financeiro é de 5,11%, ante 5,31% da semana anterior, segundo os números divulgados nesta segunda-feira (14) do relatório semanal Boletim Focus pelo Banco Central. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook