Whopper e Big Mac sem conservantes, mas com sabor? BK e 'Méqui' dizem que sim


Leonardo Guimarães, no CNN Brasil Business, em São Paulo
17 de setembro de 2020 às 18:55 | Atualizado 17 de setembro de 2020 às 23:06

Fast food não precisa ser necessariamente sinônimo de trash food. Apostando nessa "vibe fit", Burger King e McDonald's (que se autoapelidou de 'Méqui') reformularam seus cardápios e seus lanches mais famosos — Whooper e Big Mac — eliminaram componentes pouco saudáveis.

No BK, o Whopper agora é preparado sem conservantes de origem artificial. Com isso, a rede promete que o lanche mofa — aliás, essa é a propaganda da marca. Atualmente, 70% do cardápio do BK já é livre de ingredientes de origem artificial, e a meta é que, até o fim de 2021, 100% seja feito somente a partir de fontes naturais.

Leia também:
McDonald's venderá molho do Big Mac separadamente no Brasil
Burger King abre ghost kitchen em São Paulo, a primeira da rede no mundo

Já no McDonald's, corantes e aromatizantes artificiais de alguns ingredientes foram substituídos por opções de origem natural. As mudanças afetam diretamente produtos como Big Mac, cheeseburger e quarterão, assim como o molho agridoce, molho caipira, ketchup, picles e chicken McNuggets.

"Por envolver toda nossa cadeia da América Latina, este projeto levou dois anos para ser concluído e contou com uma importante parceria de nossos fornecedores. Foram mais de 90 fornecedores em toda América Latina e Caribe, sendo 15 no Brasil", diz Ives Uliana, diretor de supply chain da divisão Brasil da Arcos Dorados.

Hamburguer Mofado Burger King

Propaganda do Burger King: empresa agora comemora que o seu hambúrguer 'mofa'

Foto: Divulgação/Burger King

"Trabalhamos em conjunto, especificando quais seriam as diretrizes para esses movimento e avaliando os melhores caminhos para garantir que os ingredientes mantivessem sua alta qualidade e a experiência sensorial fosse a mesma para os clientes", destaca 

Portanto, é mais caro produzir alimentos com menos conservantes e corantes? Ariel Grunkraut, vice-presidente de marketing e vendas do Burger King no Brasil, diz que sim.

"Como estamos falando sobre processos de inovação, pesquisa, desenvolvimento e adaptações de alta complexidade, podemos afirmar que houve um investimento importante para garantir essa mudança. Valores em cadeia, do processo como um todo, acabam por ser diluídos diante de nossa visão a longo prazo, que nos permite antecipar o reflexo dessa transformação no futuro", afirma Grunkraut. 

No entanto, esse custo não será repassado para os consumidores. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook