Bradesco diz sim ao home office e dará ajuda de custo de R$ 1 mil a colaborador

Banco planeja ter funcionários trabalhando em casa uma média de uma semana por mês permanentemente

do CNN Brasil Business, em São Paulo
18 de setembro de 2020 às 14:07 | Atualizado 18 de setembro de 2020 às 14:16
Bradesco
Banco Bradesco: empresa decide adotar o home office de vez em seu plano de gestão 
Foto: Sergio Moraes/Reuters

A pandemia fez com que muitas empresas se adaptassem – e pegassem gosto – ao esquema do trabalho remoto, o chamado home office. O mais novo exemplo é do banco brasileiro Bradesco. A instituição, que conta com 97 mil funcionários, aprovou um acordo para adotar permanentemente o home office na empresa.

Apoiado pelo sindicado, a decisão prevê que os colaboradores possam ser alocados para trabalhar de casa por quantos dias forem necessários – desde que a medida fosse negociada e de comum acordo entre a empresa e o funcionáiro.

Leia também: 
Odeia fazer home office? Veja dicas de como tornar o trabalho em casa melhor
Não é só o arroz: dólar e home office deixam TV, game e até livro mais caros
Home office: americanos estão transferindo o escritório para o quintal; entenda

Atualmente, o segundo maior banco privado do país tem 94% de seu time administrativo remoto. Já a equipe que trabalha em agência, está metade em casa e metade no local. 

Com a decisão, o Bradesco se tornou o primeiro grande banco do país a ter um acordo dessa dimensão com seus colaboradores, um movimento que ilustra como a pandemia pode mudar profundamente as relações de trabalho.

Estilo de home office 

Nesse novo desenho, a instituição prevê que cada funcionário trabalhe, em média, uma semana por mês de casa. Segundo o anunciado pelo presidente da companhia, Octavio de Lazari Jr., em meados de agosto, a medida traria uma série de redução de custos à empresa, como economia em aluguéis e, até mesmo, venda de alguns dos imóveis do banco. 

Com a mudança de planos, porém, o banco garantiu que ajudará seus funcionários. Para que cada colaborador consiga ter uma estrutura condizente ao trabalho, a instituição oferecerá uma ajuda de custo de cerca de R$ 1.000 ao ano aos que tiverem 50% da jornada remota, a fim de cobrir contas como energia e internet. A empresa também poderá fornecer equipamentos como cadeiras. 

Além da redução de custos, o banco planeja utilizar o trabalho remoto para atrair pessoas que estejam distantes dos escritórios do Bradesco, disse o diretor de recursos humanos Juliano Marcílio.

(Com Reuters)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook