Burger King: não ficamos em cima do muro e ESG é realidade, diz vice-presidente


André Jankavski, do CNN Brasil Business, em São Paulo
18 de setembro de 2020 às 07:00

O Burger King Brasil (BKBR3) decidiu abandonar a alcunha de 'junk food'. Quer dizer, está tentando. A mais nova investida aconteceu com o anúncio de que a empresa está abandonando a utilização de conservantes e aditivos. O primeiro dos produtos será o sanduíche carro chefe da empresa, o Whooper. Não à toa, a rede de restaurantes, agora, endeusa um hambúrguer que mofa depois de 30 dias.

E essa é uma agenda que veio para ficar, garante o vice-presidente de marketing e vendas do Burger King Brasil, Ariel Grunkraut. Para ele, a agenda de empresas preocupadas com temas como sustentabilidade e responsabilidade social, chamada de ESG (Ambiental, Social e Governança Corporativa, na sigla em inglês).

Leia também:
Burger King 'desiste' de 2020 e faz campanha antecipando o Natal
Burger King abre ghost kitchen em São Paulo, a primeira da rede no mundo

"O ESG é uma plataforma importante de sustentabilidade da empresa, é um papel social do Burger King com o país e em todos os outros que atua", diz Grunkraut. "Quanto mais preocupados estivermos com o que é relevante para o consumidor, mais sucesso a nossa marca terá em todos os lugares."

Por isso, segundo Grunkraut, o Burger King nunca ficará em cima do muro em temas relevantes, como sustentabilidade e apoio aos LGBTQI+. A empresa, inclusive, é uma das principais patrocinadoras da Parada LGBTQI+ de São Paulo. Mas como convencer o consumidor de que tudo não passa de marketing?

"Hoje em dia, marcas que não cuidam da parte interna e têm telhado de vidro acabam se prejudicando ao se posicionarem", diz ele. E segundo o executivo, esse não é o caso do Burger King. Confira, a seguir, a sua entrevista.

Ariel Burger King

Ariel Grunkraut, do Burger King: "O posicionamento da marca é de tomar uma posição e não ficar em cima do muro"

Foto: Burger King/Divulgação

Por que vocês decidiram por essa mudança nos ingredientes?

Comida de verdade é muito mais saborosa. E nos últimos 3 anos trabalhamos com os nossos fornecedores para que nenhum ingrediente tenha qualquer conservante ou aditivo. O primeiro deles é o Whooper. Ao longo do segundo semestre vamos trocar o restante do cardápio do Brasil. Até 2021, o nosso portfólio não terá mais mais conservantes.

Acredita que isso será seguido por toda a cadeia de fast-food?

Esse movimento é um marco na cadeia de fast-food no Brasil. Estamos fazendo esse movimento antes de todo mundo, mas acreditamos que será o empurrão para que todas as opções de alimentação servidas para os consumidores sejam mais naturais e melhores. Com isso, o fast food vai deixar de ser visto como 'junk food'.

Mas e os gastos para isso? Como fazer a cadeia funcionar já que se gastará mais com produtos naturais? Esse custo irá para o consumidor?

A maior preocupação neste momento é produzir e entregar ao consumidor o produto que ele quer. Ele quer um produto saboroso, de preferência com como churrasco, e nada de ingredientes artificiais. Em um primeiro pode ser, sim, que tenha um impacto de custos e no tempo de vida dos ingredientes nas lojas, mas não há uma previsão de repasse dos custos ao consumidor nesse momento.

Vocês defendem diversas bandeiras como a LGBTQI+, entre outras, e são criticados por um grupo e até sofrem ameaças de boicote de outros. Como lidar com isso?

O principal diferencial na comunicação está na criatividade. O posicionamento da marca é que todos são bem-vindos no Burger King. Então, não temos necessariamente temos uma bandeira específica aos LGBT, mas sabemos que eles são bem-vindos nos nossos restaurantes. Fizemos campanhas também contra o racismo e também o "quem lacra, não lucra", que fazia doação para ONGs. O grande posicionamento da marca é de criatividade, ousadia, tomar uma posição e não ficar em cima do muro.

Mas os investidores do Burger King querem que a empresa lucre. Como unir um lado com o outro? Você acredita que a bandeira do ESG veio para ficar?

Na verdade, eu não consigo imaginar as agendas se conversando. Acreditamos que o ESG é uma plataforma importante de sustentabilidade da empresa, é um papel social do Burger King com o país e em todos os outros que atua. Quanto mais preocupados estivermos com o que é relevante para o consumidor, mais sucesso a nossa marca terá em todos os lugares.

Como fazer, então, para convencer que as pessoas que as ações são mais do que marketing? E que a causa é verdadeira?

Acreditamos que a propaganda é uma parte importante, mas não é tudo. Hoje em dia, marcas que não cuidam da parte interna e têm telhado de vidro acabam se prejudicando ao se posicionarem. Mas se você for para uma loja do Burger King, você verá muito bem esse apoio à diversidade. Temos, hoje, quase 900 restaurantes e metade da nossa liderança no campo é formada por mulheres.

Ainda há muito o que fazer em outros campos, mas temos compromisso com a diversidade, abraçamos aquilo o que acredita. E quando isso é honesto e muito transparente de dentro, fica muito mais crível para que o consumidor entenda que é verdade. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook