Nintendo volta ao Brasil com Switch e mira expansão 'desafio é atender demanda'


Matheus Prado, do CNN Brasil Business, em São Paulo
18 de setembro de 2020 às 07:00 | Atualizado 21 de setembro de 2020 às 16:01

O Switch, console atual da japonesa Nintendo que já vendeu mais de 61 milhões de unidades ao redor do globo, chega oficialmente ao Brasil na sexta-feira (18). Por R$ 2.999, fãs de franquias como Mario, Zelda, Pokémon, entre outros, podem finalmente comprar o video game lançado em 2017.

Este atraso, que agora deixa de existir, foi criado quando a empresa decidiu abandonar sua operação brasileira em 2015. Bill van Zyll, diretor geral da companhia na América Latina, disse em entrevista ao CNN Brasil Business que a redução na carga tributária para importação de videojogos e uma renovação do processo de distribuição da empresa possibilitaram a volta.

Leia também:
Nintendo relançará jogos de Mario para celebrar os 35 anos do personagem
PS5 será lançado no Brasil em novembro com modelos de R$ 4.499 e R$ 4.999
Por que uma arma do jogo Counter-Strike pode valer R$ 700 mil? Conheça o mercado

“Temos grandes expectativas, já que o mercado brasileiro é o maior da América Latina”, diz. “Quando decidimos voltar, levamos certo tempo para conseguir regularizar nossos produtos. Além disso, foi difícil conseguir disponibilizar o Switch, que não para de vender. Demoramos mais do que gostaríamos, mas estamos de volta.”

Os resultados trimestrais da Nintendo reforçam parte da explicação da empresa. Apenas entre abril e junho de 2020, mais de 5,6 milhões de unidades do produto foram vendidas, contra 2,1 milhões do mesmo período do ano anterior. A receita líquida cresceu 108% e o lucro operacional subiu assustadores 427%, a US$ 1,3 bilhão.

Sucesso que também não passou despercebido pelo mercado financeiro. Os papéis da empresa negociados na Bolsa de Tóquio já avançaram mais de 30% no ano, enquanto as ADRs, listadas em Wall Street, cresceram quase 50% no período. Performance semelhante à de outras ações de tecnologia durante a pandemia.

“Estamos tristes e conscientes com a gravidade da situação imposta pela Covid-19, mas felizes que, ao ficar em casa, as pessoas pelo menos possam jogar e se divertir com o Nintendo Switch", diz. Perguntado se a empresa enxerga bolha nas ações do setor, o executivo indica o caminho oposto. "Nosso desafio é conseguir atender à demanda."

Competição de peso

O Switch chega oficialmente ao Brasil (antes precisava ser importado) em um momento quente para a indústria de videogames. Sony e Microsoft já anunciaram, e lançam ainda em 2020, novas versões de seus consoles: o PlayStation 5 e o Xbox Series X.

O primeiro custará R$ 4.999 em sua versão tradicional e R$ 4.499 o modelo sem leitor de CDs. O segundo ainda não teve seus valores locais divulgados.

Zyll acredita, no entanto, que a versatilidade do produto da Nintendo pode continuar falando mais alto. "É um período importante para a indústria. As pessoas estão procurando o que fazer em casa", diz.

O console Nintendo Switch

O console Nintendo Switch: depois de anos longe, finalmente a Nintendo voltou para o Brasil

Foto: Divulgação/Nintendo

"Mas acreditamos que o Switch entrega uma experiência única, para todas as faixas etárias. Trata-se de um videogame que já tem 4 anos e suas vendas só aumentam, algo totalmente fora da curva."

Assim como suas concorrentes, a Nintendo tem dificuldades para praticar seus preços internacionais no Brasil. O Switch, que custará R$ 2.999, sai por US$ 299 nos EUA. O PS5, que terá preço sugerido de R$ 4.999, será vendido por US$ 499 no mercado americano.

Com o dólar a pouco mais de R$ 5, isso quer dizer que os produtos são comercializados com o preço praticamente dobrado por aqui.

O próprio câmbio é um dos fatores citados pelo gestor como complicador do processo de precificação. "Queremos levar o nosso produto ao maior número de pessoas possível, então é do nosso interesse que esses preços sejam acessíveis", diz. "Mas fatores como o câmbio, impostos e taxas, e a distribuição dentro do próprio Brasil fazem com que estes valores sejam diferentes."

Produtos

Em sua volta ao país, a companhia japonesa disponibilizará o Switch em lojas como a Americanas e o Magazine Luiza. A empresa afirma ainda não ter planos de vender jogos em mídia física por aqui, mas disponibiliza mais de 120 jogos em formato digital, através da Loja Nintendo. Também é possível assinar o serviço digital Nintendo Switch Online, que permite jogar na rede e acessar games antigos.

O console possibilta que até quatro jogadores brinquem ao mesmo tempo, mas só vem com dois controles (disponíveis em cinza ou azul e vermelho). A manete clássica avulsa, chamada de Pro Controller, custa US$ 469, enquanto o par de Joy-Cons (nas cores verde e rosa), modelo original do Switch, sai por US$ 499. 

A Nintendo também estuda a possibilidade de trazer a versão portátil do Switch, chamado Lite, em 2021. O produto custa US$ 199 nos EUA. Questionado se Brasil passará a receber todos os lançamentos e novidades da marca, como a nova versão do Switch especulada para o ano que vem, Zyll afirma que por enquanto são só rumores.

"Cada mercado é diferente. Precisamos de regularizar os produtos localmente, então é algo que precisaremos determinar", diz.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook