Sem acordo, reforma tributária fica para 'outro momento', diz Ricardo Barros

Barros ainda falou que reforma tributária segue na pauta do governo, que 'ainda não teve acordo, mas fica para outro momento'

Da CNN
28 de setembro de 2020 às 15:35

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), afirmou à CNN, que a Reforma Tributária será discutada "em outro momento" pois ainda não houve acordo em torno da questão.

"Nós vamos votá-la, mas eu preciso de votos. Não vamos para uma votação na qual sei que não temos maioria para aprovar. Continuaremos trabalhando e construindo um texto consensual", disse ele, que acrescentou que 'não tem reforma tributária enterrada'. "Não tenho dúvidas de que será votada", disse.

O parlamentar também disse que o Renda Cidadã irá respeitar o teto de gastos. Segundo o projeto, os recursos devem vir dos recursos destinados ao pagamento de precatórios e de parte dos novos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), além do que já está reservado no orçamento para o Bolsa Família. Essa combinação será apresentada na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) Emergencial. 

Leia e assista também:

Renda Cidadã: programa vai cumprir teto de gastos e será criado via PEC
Barros: Guedes é 'ministro mais forte' e interrupção foi contra ruídos políticos
Guedes volta a defender programa social de renda a partir do ano que vem

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR)
Foto: CNN (28.set.2020)

"Estamos fazendo rigorosamente dentro do teto a aplicação dos recursos do Renda Cidadã, e a parte do Fundeb já está ressalvada do texto e foi esse trecho que foi aprovado anteriormente", disse.

A ideia Renda Cidadã é ajudar os milhões de brasileiros que precisam de apoio financeiro com o fim do auxílio emergencial, a partir de janeiro. A notícia foi antecipada na manhã desta segunda-feira (28), pelo colunista Igor Gadelha, da CNN.

De acordo com Barros, o senador Márcio Bittar (MDB-AC) deve entregar o texto já na terça-feira (29). "Acredito que deve entregar amanhã [ao Congresso], ou assim que ele concluir", disse. 

(Com informações de Natália Flach, do CNN Brasil Business, em São Paulo. Edição: Leonardo Lellis)