Golpistas usam Pix para roubar dados pessoais; veja como se proteger


Do CNN Brasil Business, em São Paulo
05 de outubro de 2020 às 18:25 | Atualizado 06 de outubro de 2020 às 11:53

O número de cadastros das chaves de acesso ao Pix não para de crescer – e assim deve ser até a estreia oficial do novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central (BC), no dia 16 de novembro. Mas, até lá, algo que deve ter um crescimento tão alto quanto é a quantidade de golpes em nome do Pix.

Não por acaso, diversos usuários já começam a relatar o recebimento de mensagens por celular e e-mails com o chamado “phishing”.

O phishing é um termo em inglês que denomina a ação de fraudadores na internet de roubar dados pessoais de outras pessoas, como dados bancários, cartão de crédito e outras informações pessoais

Leia também:
Como funciona o Pix? 8 respostas sobre o novo sistema de pagamentos
Saiba tudo sobre o PIX, sistema que vai acabar com TED e DOC

QR Code será usado em nova modalidade de pagamento eletrônico, o PIX

QR Code será usado em nova modalidade de pagamento eletrônico, o PIX (6.set.2020)

Foto: CNN Brasil

De acordo com uma pesquisa realizada pela Kaspersky, empresa especializada em softwares de segurança, cerca de 13% dos brasileiros caíram, entre abril e junho deste ano, em algum link que os direcionava para sites maliciosos.

O índice está bem acima da média mundial (8,3%), o que coloca o Brasil entre os principais alvos de phishing do mundo.

É bom lembrar que o Pix, em si, é seguro. Transferir dinheiro via Pix será tão seguro quanto fazer transações de TED e DOC, segundo o BC. Todas as operações precisam ser autenticadas antes de serem concluídas. 

Entre as dicas para não cair em golpes, estão:

- Sempre confirme se a página que você está acessando é oficial do seu banco: muitas vezes, são criados e-mails e páginas na internet semelhantes aos sites oficiais, porém é possível ver algumas diferenças como símbolos e pontos. Em caso de dúvida, contate o seu banco;

- Não clique em links enviados por e-mails ou mensagem por celular: geralmente, os bancos não fazem esse tipo de comunicação. Caso esteja com alguma dúvida, entre em contato com o seu banco e entenda qual o tipo de contato que eles fazem, caso seja identificada alguma fraude;

- Não coloque informações pessoais em sites que você não confie: dados bancários (mesmo que seja número da conta), CPF e outros dados são a porta de entrada para golpes;

- Confira sempre a URL dos sites em que você entra: confira todos os caracteres e se eles seguem um padrão fora do utilizado pelo seu banco;

- Mantenha sempre seu antivírus, no celular e no computador, instalado e atualizado

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook