Como a Nio, concorrente da Tesla, passou da crise para queridinha do mercado?


Michelle Toh, do CNN Business, em Hong Kong
18 de outubro de 2020 às 07:00
Montadora de carros elétricos Nio

Montadora Nio: Desde março, as ações da empresa dispararam mais de 1.000% 

Foto: Divulgação/Nio

A candidata a “matadora da Tesla” da China vive uma fase eufórica.

Apenas sete meses atrás, a Nio, fabricante de veículos elétricos sediada em Xangai, era vista com muita cautela. Suas ações haviam caído para menos de US$ 3 na bolsa de Nova York, os investidores estavam chamando a empresa de fracasso, desistindo de outras startups na área e o dinheiro estava se esvaindo.

Leia também:
Jac iEV20 e Renault Zoe: os preços dos carros elétricos mais baratos do Brasil
Audi lança programa de carros por assinatura com mensalidade de R$ 9,6 mil
Tesla: novo Plaid Model S terá o desempenho de um Fórmula 1

No entanto, desde março as ações da empresa dispararam mais de 1.000%, para US$ 26,50 – e mais de 22% vieram somente na quarta-feira (14). Os analistas de Wall Street estão novamente aconselhando os investidores a comprarem ações da Nio.

O que causou a reviravolta?

Analistas do Citi, que quase dobrou seu preço-alvo para a ação na quarta-feira para US$ 33,20, disseram que novos fatores surgiram para apoiar sua crença no crescimento da montadora, incluindo “uma carteira de pedidos muito forte acumulada” durante o feriado da Semana de Ouro, recentes ganhos de participação de mercado e seus esforços para cortar custos da bateria dos automóveis. 

Apoiada pelos gigantes chineses da tecnologia Tencent e Baidu, a Nio é muitas vezes alardeada como um dos concorrentes locais mais ferozes da Tesla.

Antes mesmo de vender um único carro, a montadora chinesa trabalhou arduamente na criação de uma marca, vendendo pela internet milhões de dólares em bonés Nio e outros produtos de merchandise. Em seguida, a empresa passou a implantar serviços como troca de baterias, vans movidas à bateria e “Nio Houses”, showrooms que pretendem funcionar como clubes com biblioteca, cozinha aberta e oficinas para crianças.

Uma injeção de 7 bilhões de yuans (US$ 1 bilhão) em abril por investidores apoiados pelo governo da cidade chinesa de Hefei, onde a Nio recentemente abriu uma nova sede, foi fundamental para restaurar a confiança dos investidores, segundo Tu Le, fundador da consultoria Sino Auto Insights, com sede em Pequim. Para o consultor, o aumento nas vendas de veículos e as atualizações de sua tecnologia, incluindo um recurso de piloto automático mais inteligente, também ajudaram a colocar a empresa em uma posição mais estável.

Le descreveu o investimento da prefeitura de Hefei como um “resgate financeiro”, uma caracterização que a Nio nega.

“O governo de Hefei não deixaria a Nio falhar. Agora eles não têm aquela pressão de ficar imaginando de onde virá o próximo salário.”

Não é apenas a Nio que está eufórica. O apetite dos investidores pelo setor de veículos elétricos disparou nos últimos meses, em parte liderado pelo entusiasmo pela Tesla (TSLA) e a confiança na recuperação da China, conforme observou Le.

A montadora de Elon Musk fez incursões importantes na China, começando a produção em sua Gigafactory de Xangai em 2019 e entregando seus primeiros carros Model 3 feitos localmente ao público no início deste ano.

“Eu sinto que a Tesla favoreceu todo mundo”, opinou Le, apontando para a recente alta nas ações de outras montadoras chinesas, como a Xpeng Motors.

Mas ele disse que a ascensão da Nio pode ter sido exagerada, pois “não teve tantas vitórias para levar para esse nível de avaliação”. (A Nio vale agora mais de US$ 36 bilhões.)

“Em parte isso aconteceu porque simplesmente não há muitas boas notícias em outros setores, então muito dinheiro está entrando no mercado de carros elétricos”, acrescentou Le.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook