Banco Central registra cadastro de 50 milhões de chaves no Pix

A partir de 3 de novembro, no entanto, o serviço será disponibilizado apenas para alguns clientes e instituições selecionados, como uma fase de testes

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
22 de outubro de 2020 às 18:37
Pix: sistema que terá pleno funcionamento no dia 16 de novembro já tem mais de 50 milhões de chaves cadastradas 
Foto: Estadão Conteúdo

O Banco Central informou que o número de cadastros de chave Pix atingiu os 50 milhões no fim da tarde desta quinta-feira (22). O Pix é o novo sistema de pagamentos instantâneos, que começa a operar em 16 de novembro.

A partir de 3 de novembro, no entanto, o serviço será disponibilizado apenas para alguns clientes e instituições selecionados, como uma fase de testes.

Leia também:
Pix: com mais de 48 mi de cadastros, foram registradas apenas 43 reclamações
Pix: tire suas dúvidas sobre estorno, cadastro de chaves e segurança do sistema

A chave Pix é o código que será necessário para realizar pagamentos no sistema: ao vem de informar o banco, a agência e conta, como no TED, será informado o número da chave do recebedor. É possível registrar quatro tipos de chaves Pix: os números de CPF ou CNPJ do cliente; o e-mail do cliente; o número de celular do cliente; ou um número de chave aleatória gerada pelo sistema do BC. Em casos de telefone ou e-mail, é possível registrar mais de uma opção.

Mesmo sem uma chave Pix, no entanto, o consumidor poderá realizar um pagamento instantâneo, mas terá que fornecer todos os dados da conta, como funciona na TED, por exemplo.

O Pix vai permitir que as operações financeiras, como DOC, TED e outros pagamentos, sejam realizadas em até dez segundos. O PIX também promete acabar com as limitações das transações, permitindo que sejam feitas durante 24 horas por dia, inclusive em fins de semana e feriados, diferente de hoje em que as transferências só podem ser realizadas em dias úteis e são limitados ao horário de 10h às 17h.

O PIX chega como alternativa para agilizar e melhorar as operações financeiras e transações bancárias, como a TED e o DOC que custam em média R$ 10,08, segundo o BC e, gradualmente, devem ser substituídas pelo novo sistema.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook