Venda de carros pode ter 'crescimento pífio' em 2021, diz Anfavea

As previsões mais recentes da Anfavea, revistas no início do mês, apontam para um mercado em 2020 de 1,9 milhão de veículos – se espera 2 milhões para 2021

Eduardo Laguna, do Estadão Conteúdo
26 de outubro de 2020 às 17:46 | Atualizado 26 de outubro de 2020 às 17:48

Carros e ônibus em rua: mercado automobilístico no Brasil passa por momento turbulento

Foto: Gleb Garanich/Reuters

A direção da Anfavea, entidade que representa as montadoras instaladas no País, apontou nesta segunda-feira, 26, o desempenho da indústria neste ano, quando se espera vendas próximas a 2 milhões de unidades, como o novo piso do mercado nacional de veículos, o que indica uma tendência de crescimento em 2021.

Durante participação em congresso virtual promovido pela Autodata, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, evitou "carimbar" as previsões da entidade para o ano que vem.

No entanto, ele disse que, num cenário de controle da pandemia, sem segunda onda de contaminações, e avanço das reformas, é possível que o mercado alcance entre 2,3 milhões e 2,4 milhões de unidades, como vem sendo projetado por executivos da indústria automotiva.

Leia também:
Scania assegura investimento no Brasil de R$ 1,4 bi, prometido antes da pandemia
OCDE defende que leilão do 5G no Brasil garanta mercado competitivo

Por outro lado, num cenário oposto, de novos lockdowns e descontrole fiscal, com aumento maior do que o imaginado da taxa básica de juros e do dólar, a tendência é de um crescimento que classificou como "pífio".

As previsões mais recentes da Anfavea, revistas no início do mês, apontam para um mercado em 2020 de 1,9 milhão de veículos, entre carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus.

"A gente tem que ser otimista, mas não pode fechar os olhos e não observar riscos relevantes à frente", comentou Moraes, ao citar a perspectiva de retirada dos estímulos emergenciais que injetaram R$ 600 bilhões e deram sustentação à retomada econômica.

"Não dá para imaginar que o governo vai ter fôlego para injetar mais R$ 600 bilhões na economia em 2021", assinalou o presidente da Anfavea, observando que não é aceitável em países emergentes um avanço da dívida pública a patamar superior a 100% do Produto Interno Bruto (PIB).

Moraes disse ainda que, ao mesmo tempo em que a taxa de desemprego segue alta e a inadimplência pode reaparecer nos próximos meses, pressionando a disponibilidade de crédito dos bancos, as montadoras estão pressionadas por aumento de custos de insumos, em especial o aço.

"Isso vai ter impacto nos preços porque a indústria terá de, em algum momento, repassar", comentou.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook