O que esperar dos resultados da Amazon: virá novo lucro recorde?

Analistas esperam uma receita de US$ 92,7 bilhões no terceiro trimestre. A gigante pode enfrentar desafios logísticos com a demanda das festas de fim de ano

Jeffrey Dastin, da Reuters
28 de outubro de 2020 às 15:04
Amazon: no segundo trimestre, a varejista registrou o maior lucro em seus 26 anos de história 
Foto: Kevin Mohatt/Reuters

A Amazon anunciará na quinta-feira (29) seus resultados trimestrais e Wall Street quer saber se ela acompanhou o aumento da demanda dos consumidores durante a pandemia do coronavírus.

Três meses atrás, a maior varejista online do mundo registrou o maior lucro em seus 26 anos de história. As medidas de isolamento social levaram os consumidores a transferir as compras para mercados da web como a Amazon, enquanto as lojas físicas rivais fecharam as lojas.

A Amazon colheu frutos, mas não sem desafios. Por um tempo, a Amazon limitou seus serviços a bens essenciais. A empresa reformulou as operações com a Covid-19, embora mais de 19 mil trabalhadores tenham contraído o vírus. Os clientes experimentaram entregas mais lentas do que o normal.

Leia mais:
Microsoft se prepara para evitar holofotes em possível governo Biden nos EUA
Facebook lança streaming de videogames com Asphalt 9: Legends e WWE SuperCard

Alguns analistas, incluindo Colin Sebastian, da Baird Equity Research, querem saber se a Amazon pode lidar com esses desafios enquanto a demanda aumenta com as compras de fim de ano.

"Eles têm logística e capacidade de entrega para lidar com os volumes de pedidos?", perguntou Sebastian.

A Amazon trabalha há muito tempo para evitar a repetição da temporada de 2013, quando atrasos deixaram alguns sem presentes no dia de Natal. A empresa agora lida com mais entregas internamente e, neste ano, mudou seu evento de marketing Prime Day - geralmente em julho - para outubro, permitindo que os clientes fizessem os pedidos de feriado mais cedo.

Em média, analistas esperam uma receita de US$ 92,7 bilhões para o terceiro trimestre, segundo dados da Refinitiv.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook