Produção industrial sobe 2,6% em setembro e elimina perdas da pandemia, diz IBGE

Esta é a quinta alta consecutiva segundo a Pesquisa Industrial Mensal (PIM)

Paula Bezerra, do CNN Brasil Business, em São Paulo
04 de novembro de 2020 às 09:23 | Atualizado 04 de novembro de 2020 às 09:37
Operário trabalha em montadora; indústria automotiva; carros; veículos
Montadora: produção industrial retoma níveis pré-pandemia 
Foto: Nacho Doce/Reuters

A produção industrial do Brasil retomou os patamares pré-pandemia e eliminou todas as perdas provocadas pelo isolamento social. É o que mostra a Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada na manhã desta quarta-feira (04) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, o setor teve alta de 2,6% em setembro, quando comparado a agosto. Essa é o quinto mês de crescimento seguido e veio acima da expectativa de economistas ouvidos pela Reuters, que estimavam alta de 2,2%.

Leia também:
PMI: Setor de serviços pressiona e economia da zona do euro paralisa em outubro
'Risco fiscal': O que é o temor que está fazendo dólar e juros dispararem

Já na comparação com setembro do no passado, a indústria teve um aumento de 3,4%, interrompendo uma sequência de 10 quedas consecutivas nessa base de análise. 

Com isso, o setor industrial recuou 7,2% no acumulado do ano. Já nos últimos 12 meses, a produção da indústria caiu 5,5%, indicando desaceleração na trajetória de perdas iniciada em março.

“Com o resultado de setembro, em conjunto com os avanços dos quatro meses anteriores, a produção industrial superou em 0,2% o patamar pré-pandemia, em fevereiro. Passados os meses de março e abril e com a flexibilização das medidas de distanciamento social, o setor industrial foi recuperando, mês a mês, aquele patamar”, diz o gerente da pesquisa, André Macedo.

Setores

A alta na produção industrial foi evidenciada em 22 dos 26 setores pesquisados pelo IBGE. Este também é o quinto mês seguido em que os bens de consumo duráveis tiveram alta expressiva – puxados, principalmente, pela indústria automobilística. 

“Veículos automotores, reboques e carrocerias avançaram 14,1%. Vale destacar que essa atividade acumulou expansão de 1.042,6% em cinco meses consecutivos de crescimento na produção, mas ainda assim se encontra 12,8% abaixo do patamar de fevereiro”, diz Macedo.

Além deles, máquinas e equipamentos, confecção de artigos de vestuário e artios para viagem e calçados também apresentaram altas pelo quinto mês seguido. Os produtos alimentícios, minerais não-metálicos e metalurgia tiveram alta e ajudaram a puxar a retomada do setor. 

Em contrapartida, apenas quatro atividades apresentaram redução na produção de setembro, sendo elas as indústrias extrativas, cujo impacto negativo interrompeu três resultados positivos consecutivos.  As demais quedas foram observadas em impressão e reprodução de gravações, produtos diversos e outros produtos químicos.

“A indústria extrativa teve um recuo em setembro, mas vinha de três meses de crescimento na produção. Ou seja, ela interrompe o comportamento positivo, mas não elimina o saldo positivo dos últimos meses. Mesmo considerando a queda em setembro, essa atividade está 5,7% acima do patamar anterior à pandemia”, afirma o gerente da pesquisa. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook