Comandante explica o que mudou no 737 Max para que o avião volte a operar


Da CNN, em São Paulo
19 de novembro de 2020 às 00:05


 

Após 20 meses com todas as aeronaves 737 Max sem operar por conta de dois acidentes causados por falhas técnicas do modelo, a agência de aviação americana autorizou a retomada de voos com o avião. 

O retorno do 737 Max ocorre após esforço internacional de recertificação da aeronave que contou com participação de Sérgio Quito, comandante da Gol.

Em entrevista para a CNN, Quito explicou a principal mudança que garantiu o retorno do modelo.

Leia também

Desastre do Boeing 737 Max pode ser o erro corporativo mais caro que já existiu

Gol amplia oferta em novembro, espera volta do MAX até fim do ano

Acidentes do 737 MAX são resultado de falhas da Boeing e da FAA, diz relatório

“O que mudou foi o sistema de comparação do ângulo de ataque do avião, que informa a altitude do aeronave. Com isso uma informação externa errada não fará com que o avião atue de maneira diferente do esperado,” disse o comandante. 

“Foi um aperfeiçoamento, agora a comparação é entre dois computadores e não só entre dois indicadores. Isso dá mais autoridade para o piloto para contrariar uma informação indesejada.”

(Publicado por Diego Freire)