Guedes afirma que Covid cedeu 'substancialmente', apesar de 'repique' da doença

Ministro da Economia defendeu que o governo deve considerar novas ações de combate à pandemia com base empírica e científica

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em São Paulo
23 de novembro de 2020 às 14:44 | Atualizado 23 de novembro de 2020 às 15:57
 

Mesmo admitindo que está havendo um "repique" nos casos de Covid-19, o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a negar que o país esteja sofrendo com uma segunda onda da pandemia.

"Parece que está havendo um repique, mas vamos observar. São ciclos. Estão querendo dizer que a doença já ta aqui e isso não é o fato. O fato é que a doença cedeu e até por isso as pessoas saíram mais, se descuidaram mais", argumentou durante palestra no Seminário Visão do Saneamento, promovido pela Firjan nesta segunda-feira (23). 

Leia também:
Guedes reconhece falta de apoio à desoneração e defende foco em pauta consonante
Em reunião de ministros do G20, Guedes diz que recuperação do Brasil surpreende

O ministro Paulo Guedes fala à CNN
Foto: CNN (15.out.2020)


Ele defendeu que o governo apenas considere novas ações de combate à pandemia com base empírica e científica sobre uma segunda onda. "Se tiver o Covid 3022 ou 5500, agiremos da mesma forma, com a mesma capacidade. Já conhecemos o caminho, sabemos os programas que funcionam melhor e os que não funcionaram. Agiremos com a mesma determinação, mas só com evidência empírica e base científica", afirmou. 

Ainda para Guedes, pessoas que não são especialistas em saúde tentaram se antecipar e decretar um novo lockdown. "Pessoas que não são especialistas já começaram a decretar que a doença está aí e que tem que trancar tudo de novo. Eu não vou opinar na área de saúde, tenho que me limitar aos dados que são: a doença cedeu substancialmente, e a economia se recuperou extraordinariamente bem", comentou. 

De acordo com o último balanço do ministério da Saúde, divulgado no domingo (22), entre sábado e domingo, foram registrados 18.615 novos casos de Covid-19. Assim, o acumulado desde o início da pandemia é de 6.071.401 casos.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook