Caixa vê recuperação da economia, mas manterá provisões no 4º trimestre

Guimarães falou com investidores por videoconferência após a divulgação de resultados do banco, mais cedo

Reuters
25 de novembro de 2020 às 14:44 | Atualizado 25 de novembro de 2020 às 14:58
Movimentação em agência da Caixa Econômica Federal
Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

A Caixa Econômica Federal está vendo uma recuperação em "V" da economia, mas como precaução vai manter no quarto trimestre as provisões feitas anteriormente, afirmou nesta quarta-feira  (25) o presidente do banco estatal, Pedro Guimarães.

O executivo afirmou por videoconferência, após a divulgação dos resultados do terceiro trimestre mais cedo, que o banco provisionou R$ 1 bilhão em crédito no terceiro trimestre e mais R$ 300 milhões relativos à negociação coletiva com funcionários.

"No quarto trimestre, não vemos nenhuma necessidade, mas não reverteremos nenhuma provisão já feita", afirmou Guimarães.

Leia também:
'As coisas não melhoram do nada', diz asset do BNP Paribas sobre governo
Focus: mercado já prevê inflação de 2020 em 3,2%

A Caixa teve lucro ajustado de R$ 2,6 bilhões no terceiro trimestre, alta de 1,7% em relação aos três meses imediatamente anteriores, em resultado apoiado por operações de crédito habitacional. A inadimplência acima de 90 dias do período foi de 1,87%, queda de 0,61 ponto.

"Estamos vendo uma recuperação em 'V' desde junho. Temos tido nos produtos que focamos resultados recordes", disse o presidente da Caixa. "A renegociação foi muito melhor que o esperado. Tínhamos ao redor de 3 milhões de contratos pausados. E não esperávamos uma volta tão forte quanto a que aconteceu", afirmou Guimarães.

O executivo afirmou que a Caixa espera para os próximos seis meses aprovação do Banco Central para o lançamento de seu banco digital. Ele explicou que o empreendimento será separado da Caixa, mas 100% controlado pelo banco estatal. É por meio dele que a instituição quer acelerar a concessão de crédito habitacional, que tem passado por forte crescimento diante dos juros do país na mínima recorde.

O crédito imobiliário com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) atingiu R$ 13,86 bilhões em outubro, um salto de 84% ante mesmo mês de 2019, segundo dados divulgados na terça-feira pela da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

Questionado sobre a expectativa para o crédito imobiliário em 2021, Guimarães afirmou que "não tem receio" e que o banco pretende crescer "pelo menos 10% na originação".