França volta a cobrar imposto sobre serviços digitais de gigantes da tecnologia

A França aplicou no ano passado uma taxa de 3% sobre a receita de serviços digitais obtida na França por empresas com receitas de mais de 25 milhões de euros

Leigh Thomas, da Reuters
25 de novembro de 2020 às 16:08 | Atualizado 25 de novembro de 2020 às 16:45
Facebook, Google, Amazon e Apple: empresas voltarão a pagar impostos digitais na França
Foto: Reuters

O Ministério das Finanças da França enviou alertas para grandes empresas de tecnologia avisando para voltarem a pagar seu imposto sobre serviços digitais a partir de dezembro, disse o ministério nesta quarta-feira.

A França suspendeu a cobrança do imposto, que atingirá empresas como Facebook e Amazon, no início deste ano, enquanto estavam em andamento negociações na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para uma revisão das regras tributárias internacionais.

Leia também:
Maradona: após ‘falência’, ex-jogador usou sua imagem para construir fortuna
Pandemia renova ideias de emprego e renda universais

O Ministério das Finanças há algum tempo disse que vai cobrar o imposto a partir de dezembro se as negociações não fossem concluídas até então, que é o que aconteceu quando os quase 140 países envolvidos concordaram no mês passado em manter as conversas até meados de 2021.

A França aplicou no ano passado uma taxa de 3% sobre a receita de serviços digitais obtida na França por empresas com receitas de mais de 25 milhões de euros no país e 750 milhões de euros no mundo todo.

O ministério esperava arrecadar cerca de 500 milhões de euros este ano com o imposto, mas o projeto de lei do orçamento de 2021 estima o número em 400 milhões de euro.

A postura do Facebook é "garantir o cumprimento de todas as leis fiscais nas jurisdições onde operamos". Outras empresas de tecnologia fizeram declarações semelhantes.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook