Quer renegociar as suas dívidas? Governo permite fazer isso em site até o dia 29

Plataforma consumidor.gov.br tem parceria com diversas empresas do país e a meta é que os clientes consigam renegociar seus débitos de maneira rápida e prática

Wesley Santana, colaboração para o CNN Brasil Business, em São Paulo
25 de novembro de 2020 às 05:00
Cofrinho quebrado: especialistas sempre recomendam renegociar dívidas para que a pessoa não se perca com os juros
Foto: Pixabay

Está com dívidas até o pescoço e quer sair dessa situação? O Governo Federal anunciou que criou uma área no site consumidor.gov.br exatamente para esse fim. Normalmente voltado para reclamações de consumidores, o portal terá uma área, até o próximo dia 29, para que o endividado consiga conversar com os seus credores e chegar a um acordo. A ação faz parte da 7ª Semana Nacional de Educação Financeira.

De acordo com a Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor, vinculada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, a plataforma permite que os brasileiros que tenham dívidas com empresas parceiras consigam, de forma simples, resolver os problemas, sem necessidade de processos judiciais. 

Leia também:
Desemprego é maior fator de risco no mundo, dizem líderes empresariais
Black Friday: Procon lança lista com 200 sites não recomendados para compra

Para isso, diversas instituições aderiram ao programa, de forma voluntária, para trazer mais agilidade e facilidade para os consumidores, tendo em vista que o processo é feito totalmente pela internet. 

A plataforma funciona como uma espécie de intermediadora em que o devedor sinaliza que quer renegociar uma dívida e a empresa, por sua vez, oferece condições facilitadas para pagamento. 

Durante o processo, tanto o devedor quanto a empresa credora podem se comunicar para chegar em um acordo que esteja bom para as duas partes. 

Segundo a Secretaria, já estão cadastradas empresas de vários setores, como operadoras de telefonia, de internet, transporte aéreo, comércio eletrônico, vestuário, água e energia.

A pasta também afirma que o portal não substitui o serviço prestado pelos Órgãos de Defesa do Consumidor, que continuam prestando atendimento por meio dos canais tradicionais e os digitais, mas surge como uma alternativa durante a pandemia. 

Devo, não nego, mas renegocio

Para fazer um acordo, primeiro é preciso ver se a empresa credora firmou parceria com o portal. Para isso, acesse o site da iniciativa e clique em “empresas participantes”. Desta forma, o site deve exibir uma lista com as instituições disponíveis, separadas pelas áreas de atuação. 

Caso a empresa interessada esteja na lista, basta se cadastrar no site e formalizar o pedido de renegociação indicando a empresa em que a dívida está ativa. “Ao preencher a solicitação, é importante selecionar no campo ‘Problema’ a opção ‘Renegociação/parcelamento de dívida’”, alerta a secretaria. 

Feito isso, no campo “descrição da reclamação”, o internauta precisa informar que deseja participar da ação de renegociação de débitos e concluir a operação. Com isso, informa o órgão, as empresas têm até 10 dias para responder o consumidor, tendo ele mais 20 dias para fazer uma réplica e avaliar se o atendimento foi adequado. 

“A Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor entende que, nesse momento difícil para muitos brasileiros, em virtude do coronavírus, a estratégia de renegociação de dívidas poderá constituir uma iniciativa muito importante para a redução do endividamento do brasileiro”, afirma Pedro Aurélio da Silva, diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook